sábado, 24 de julho de 2010

Supertramp - Give a Little Bit



http://forpitssake.org/images/GiveaLittleBit.MP3

Neurociência Computacional


Um dos melhores artigos já postados aqui foi Neural Mechanisms for Interacting with a World Full of Action Choices, de Paul Cisek and John F. Kalaska 2010 (Annu. Rev. Neurosci. 2010. 33:269–98), em 17 de junho de 2010. Quem leu atentamente sabe do que estou falando. Imagino que esse livro deve ser o bicho.


Computational neuroscience is a relatively new but rapidly expanding area of research which is becoming increasingly influential in shaping the way scientists think about the brain. Computational approaches have been applied at all levels of analysis, from detailed models of single-channel function, transmembrane currents, single-cell electrical activity, and neural signaling to broad theories of sensory perception, memory, and cognition. This book provides a snapshot of this exciting new field by bringing together chapters on a diversity of topics from some of its most important contributors. This includes chapters on neural coding in single cells, in small networks, and across the entire cerebral cortex, visual processing from the retina to object recognition, neural processing of auditory, vestibular, and electromagnetic stimuli, pattern generation, voluntary movement and posture, motor learning, decision-making and cognition, and algorithms for pattern recognition. Each chapter provides a bridge between a body of data on neural function and a mathematical approach used to interpret and explain that data. These contributions demonstrate how computational approaches have become an essential tool which is integral in many aspects of brain science, from the interpretation of data to the design of new experiments, and to the growth of our understanding of neural function.

Computational Neuroscience: Theoretical Insights into Brain Function
Paul Cisek, Trevor Drew & John F. Kalaska - edits.

Neuroanatomia - estruturas, seções e sistemas


Abaixo, um trecho da Introdução deste livro, que tem ilustrações excelentes.

Understanding CNS structure is the basis for learning pathways, neural function, and for developing the skill to diagnose the neurologically impaired patient. Following a brief period devoted to the study of CNS morphology, a significant portion of many courses is spent learning functional systems. This learning experience may take place in the laboratory because it is here that the student deals with images of representative levels of the entire neuraxis. However, few attempts have been made to provide the student with a comprehensive and integrated guide—one that correlates, 1) external brain anatomy with MRI and blood supply; 2) meninges and ventricles with examples of meningeal, ventricular, and brain hemorrhage; 3) internal brain anatomy with MRI, blood supply, the organization of tracts and nuclei and selected clinical examples; 4) summaries of clinically relevant pathways with neurotransmitters, numerous clinical correlations, and the essential concept of laterality; and 5) includes a large variety of images such as angiogram, computed tomography (CT), magnetic resonance imaging (MRI), magnetic resonance angiography (MRA), and magnetic resonance venography (MRV).

The present atlas addresses these points. The goal is not only to show external and internal structure per se but also to demonstrate that the relationship between brain anatomy and MRI/CT, the blood supply to specific areas of the CNS and the arrangement of pathways located therein, the neuroactive substances associated with pathways, and examples of clinical deficits are inseparable components of the learning
experience. An effort has been made to provide a format that is dynamic and flexible—one that makes the learning experience an interesting and rewarding exercise.

Neuroanatomy: An Atlas of Structures, Sections, and Systems
Duane E. Haines
Lippincott Williams and Wilkins 2003 PDF 303 pages 11,5 mb
http://depositfiles.com/files/km7yozjhu ou

Nat Hentoff nas paradas...

Nat Hentoff é O cara.


Nat Hentoff, renowned jazz critic, civil liberties activist, and fearless contrarian--"I'm a Jewish atheist civil-libertarian pro-lifer"--has lived through much of jazz's history and has known many of jazz's most important figures, often as friend and confidant. Hentoff has been a tireless advocate for the neglected parts of jazz history, including forgotten sidemen and -women. This volume includes his best recent work--short essays, long interviews, and personal recollections. From Duke Ellington and Louis Armstrong to Ornette Coleman and Quincy Jones, Hentoff brings the jazz greats to life and traces their art to gospel, blues, and many other forms of American music. At the Jazz Band Ball also includes Hentoff's keen, cosmopolitan observations on a wide range of issues. The book shows how jazz and education are a vital partnership, how free expression is the essence of liberty, and how social justice issues like health care and strong civil rights and liberties keep all the arts--and all members of society--strong.

At the Jazz Band Ball: Sixty Years on the Jazz Scene
Nat Hentoff

University of California Press 2010 272 Pages PDF 2 MB
http://sharingmatrix.com/file/14097881/At_the_Jazz_Band_Ball_Sixty_Years_on_the_Jazz_Scene.rar ou
http://depositfiles.com/files/z2eqniueq

Conheçam o cérebro, educadores e psicólogos


Although educators are expected to bring about functional changes in the brain--the organ of human learning--they are given no formal training in the structure, function or development of the brain in formal or atypically developing children as part of their education. This book is organized around three conceptual themes: First, the interplay between nature (genetics) and nurture (experience and environment) is emphasized. Second, the functional systems of the brain are explained in terms of how they lead to reading, writing and mathematics and the design of instruction. Thirdly, research is presented, not as a finished product, but as a step forward within the field of educational neuropsychology. The book differs from neuropsychology and neuroscience books in that it is aimed at practitioners, focuses on high incidence neuropsychological conditions seen in the classroom, and is the only book that integrates both brain research with the practice of effective literacy, and mathematics instruction of the general and special education school-aged populations.

Brain Literacy for Educators and Psychologists
Virginia W. Berninger & Todd L. Richards

Academic Press 2002 pages: 384 PDF 17.37 MB
http://www.sharingmatrix.com/file/14132591/1933.rar ou
http://hotfile.com/dl/56829259/683d2b2/1933.rar.html

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Goo Goo Dolls - Give a Little Bit



http://gpawarenessfund.com/sitebuildercontent/sitebuilderfiles/07givealittlebit.mp3

Terapia Cognitiva


This collection presents empirically validated cognitive techniques for depression, bipolar I disorder, phobias, panic disorder, OCD, PTSD, anger management, eating disorders, and antisocial behavior in children and adolescents. Case examples are integral to each discussion. Emcompassing recent trends, current limitations, and new directions and developments, the book offers a fundamenetal knowledge base for students and practitioners alike.

Empirically Supported Cognitive Therapies: Current and Future Applications
William J. Lyddon & John V. Jones Jr.

A Dinâmica do Pensamento


This volume is a collection of some of the most important philosophical papers by Peter Gärdenfors. Spanning a period of more than 20 years of his research, they cover a wide ground of topics, from early works on decision theory, belief revision and nonmonotonic logic to more recent work on conceptual spaces, inductive reasoning, semantics and the evolutions of thinking. Many of the papers have only been published in places that are difficult to access. The common theme of all the papers is the dynamics of thought. Several of the papers have become minor classics and the volume bears witness of the wide scope of Gärdenfors’ research and of his crisp and often witty style of writing. The volume will be of interest to researchers in philosophy and other cognitive sciences.

The Dynamics of Thought
Peter Gärdenfors
Springer 2005 PDF 284 pages 3.39 Mb
http://depositfiles.com/files/ozfpf4eyz ou
http://www.megaupload.com/?d=RNYJJTVG

Heidegger & Leibniz

Mais um livrinho para distrair no fim de semana...


Heidegger holds that our age is dominated by the ambition of reason to possess the world. And he sees in Leibniz the man who formulated the theorem of our modern age: nothing happens without a reason. He calls this attitude `calculating thought' and opposes to it a kind of thought aimed at preserving the essence of things, which he calls `meditating thought'. Cristin's book ascribes great importance to this polarity of thinking for the future of contemporary philosophy, and thus compares the basic ideas of the two thinkers. Leibniz announces the conquest of reason; Heidegger denounces the dangers of reason. Their diversity becomes manifest in the difference between the idea of reason and the image of the path. But is Leibniz's thought really only `calculating'? And do we not perhaps also encounter the traces of reason along Heidegger's path? With these questions in mind we may begin to redefine the relation between the two thinkers and between two different conceptions of reason and philosophy. The hypothesis is advanced that Heidegger's harsh judgment of Leibniz may be mitigated, but it also becomes clear that Heidegger's rewriting of the code of reason is an integral part of our age, in which many signs point to new loci of rationality. With his original interpretation, aware of the risks he is taking, Renato Cristin offers a new guide to the understanding of reason: he shows forth Leibniz as one who defends the thought of being in the unity of monadology, and Heidegger as a thinker who preserves the sign of reason in his meditating

Heidegger and Leibniz - Reason and the Path (Contributions To Phenomenology)
Renato Cristin
Springer 1996 156 Pages PDF OCR 6.5 MB
http://www.megaupload.com/?d=D3DVM9D2 ou http://uploading.com/files/b84aaeff/CRISTINHeidLeibniz.zip/

Heidegger, o Idealismo Alemão e o Neo-Kantismo


Mais um livrinho pra gente se distrair nesse fim de semana...
The influence of early Greek thought on Heidegger's philosophical development is well documented, but Heidegger's relation to modern philosophy, particularly that of German idealists such as Immanuel Kant, Johann Gottlieb Fichte, and G. W. F. Hegel, has not attracted the attention it deserves. Kant is particularly crucial to understanding Heidegger, since the reformulation of Kantian thought that led to German neo-Kantianism provided an important part of the intellectual climate in which Heidegger formulated his own position.Heidegger, German Idealism, and Neo-Kantianism examines the little-known but crucial link between Heidegger's theories and his reading of German philosophy—especially idealist and neo-Kantian strains. The analyses and evaluations of Heidegger's writings offered here represent a wide range of views, running from those who agree with Heidegger to those who are deeply critical.

Heidegger, German Idealism & Neo-Kantianism
Tom Rockmore - editor

Os Grandes Escritores Americanos


The five-volume Student's Encyclopedia of Great American Writers is the landmark new reference to the greatest writers in American literature, written specifically for high school students and correlated to the NCTE standards. Featuring more than 180 of the authors taught most often in the high school curriculum, this comprehensive set contains alphabetical entries, from 2,000 to 20,000 words each, divided into sections on the author's life and on the author's major works. An additional section in each entry pres topics for discussion and writing, many of which refer to other writers or works, helping students make connections between texts (a key component of language arts standards).The editors of this authoritative guide to American literature are experts both in literary criticism and in the teaching of literature to secondary school students, and the tone and content of this encyclopedia reflect this. A bibliography and chronology round out this helpful resource.

Student's Encyclopedia of Great American Writers
Andrea Tinnemeyer & Patricia Gantt

quinta-feira, 22 de julho de 2010

The Widerness of Manitoba - Hermit



http://www.killbeatmusic.com/thewildernessofmanitoba/the_wilderness_of_manitoba-hermit.mp3

Tremenda postagem da BPS

(Na foto, Susan Blackmore)
Para comemorar a passagem de suas 150 edições (com mais de 900 artigos), o blog Research Digest, da British Psychological Society, publicou em 5 de outubro de 2009 uma pesquisa com gente boa da área sobre o que é que mais os incomoda sobre eles próprios e ainda assim eles não entendem. Olha só a lista:

Susan Blackmore: Consciousness
Richard Wiseman: Wit

Dessa turma só conheço sete, e sou fã incondicional de Susan Blackmore. Vou traduzir a resposta dela aqui abaixo, juntamente com uns comentários dos leitores.

Acredito (apesar de nunca ter visto por mim mesma) que dentro do meu crânio existe um cérebro contendo bilhões de neurônios conectados uns aos outros de trilhões de maneiras, com sinais turbilhonando prá lá e prá cá, estabelecendo novos sinais, e geralmente criando loops, coalizões, padrões sustentados e fluxos organizados paralelos e múltiplos de informação tremendamente complicados que, ao se combinarem, controlam o comportamento disso - o meu corpo. E estamos conversados. Então, como é que eu acho que existe um 'eu' consciente também? A idéia tentadora de que eu sou algo mais - uma alma, um espírito, uma entidade mística - é lixo, apesar de ter acreditado nela no passado. Esta questão me incomoda tanto que devotei a maior parte da vida a ela - através de pesquisas, literatura e trinta anos de meditação diária. Mas ainda não entendo. E quanto mais eu procuro, menos substancial meu próprio eu (self) parece ser. O que é a consciência? E quem está consciente? Realmente não sei.

Essa 'confissão' de SB gerou respostas de todo tipo. Por exemplo, o leitor Damien faz sua cobrança: "Como v. pode passar a vida toda procurando por uma resposta para uma questão sobre a qual v. já se decidiu? 'A idéia tentadora de que eu sou algo mais - uma alma, um espírito, uma entidade mística - é lixo, apesar de ter acreditado nela no passado.' Não temos aqui dois pesos e duas medidas (big fat double standard)?"

Já o leitor Imaginative Name diz o seguinte: "Acho que a percepção de uma 'alma' é um efeito colateral do pensamento abstrato. Como podemos perceber nosso próprio pensamento, ou nosso próprio 'eu', tendemos a acreditar que esse 'eu' É alguma coisa. É uma ilusão, mas inevitável, já que somos pensadores conscientes".

Mattan também dá sua opinião: "A idéia é lixo porque não existe absolutamente nenhuma evidência sustentando-a, a não ser nossa auto-percepção extremamente preconceituosa e errônea. Quando seus neurônios se ativam, v. está pensando. Quando eles não se ativam, v. não está pensando. Quando uma certa parte do cérebro é removida, certos pensamentos e capacidades do cérebro cessam. Foi removida alguma parte de sua alma? Não, apenas uma parte do seu cérebro físico. A Navalha de Occam sugere que a explicação da consciência sem a alma é superior, porque a alma não fornece qualquer valor explanatório".

Alguns leitores são pragmáticos e dizem que não é preciso 'acreditar' em alguma coisa. Como diz um deles: "Pode-se não ter nenhuma opinião sobre uma coisa na ausência de evidências convincentes de que ela é isso ou aquilo. A consciência, aparentemente, não necessita de qualquer explicação para continuar sendo consciente. Isso não me chateia nem um pouco".

Quanto aos outros doutores, gostei bastante do texto de Paul Ekman, com o qual concordo quase integralmente (por isso gostei bastante...) Também não tenho medo da morte em si, mas sim de morrer dolorosamente. Mas diz ele: "À medida que o tempo passa e partes do corpo e a mente se desgastam, acho que a morte será bemvinda". O busílis está nesse desgaste da mente (Alzheimer, por exemplo). Não somos mais propriamente o que sempre fôramos. Daremos boas vindas à morte, nesse contexto? Impossível saber.

Sue Gardner, que é presidente da British Psychological Society, ganhou minha admiração por sua resposta sensível, inteligente e sincera, sem subterfúgios. Cá está ela:

Não acredito que aceitei essa tarefa. Com certeza, será que qualquer admissão solaparia minha credibilidade como psicóloga? Ou falhar em revelar alguma coisa denotaria arrogância, falta de perceptividade (insight) ou auto-consciência, com as mesmas implicações para a reputação e a auto-estima? / Fico cautelosa quanto a uma introspecção excessiva sem ter alguma pessoa de confiança para oferecer perspectiva e equilíbrio. Tenho um lugar sombrio dentro de mim que em vários estágios de minha vida foi ocupado por espectros, daleks e emoções negativas (CLM - Daleks são robôs malignos e sinistros de uma famosa série inglesa de TV). Mas de alguma maneira preciso desse lugar para me conectar com outras pessoas, especialmente aquelas que precisam de apoio acompanhado de mudança e contenção. Ao trabalhar com pessoas que tenham problemas de saúde mental ou que tomem drogas (substance misuse) eu utilizo seu desejo de escapar de seus próprios lugares sombrios para formar uma conexão que, juntamente com evidências vindas de pesquisas e melhores linhas de atuação profissional, além de ferramentas clínicas, possa acelerar sua jornada em direção a uma recuperação. Talvez se eu me entendesse completamente minha própria jornada estaria terminada.

O texto do grande Steven Rosen (um dos criadores da neurociência) merece atenção:

Uma vida inteira estudando a neurologia da aprendizagem e da memória e ainda me assombro com as questões de Santo Agostinho, de 1600 anos atrás: 'Como meu cérebro/mente pode abranger vastas regiões do espaço e do tempo, pensamentos abstratos e números, proposições falsas' - ou, falando nisso, a lembrança do meu aniversário aos 4 anos de idade ou o que almocei ontem. Por enquanto, fico embaraçado com a ingenuidade de meus colegas neurocientistas que incluem mecanicamente a mente no cérebro, ou afirmam ser capazes de localizar (o seguinte) naquela massa de tecidos: equidade, empatia, amor romântico...'Você é apenas um monte de neurônios', afirmou Francis Crick, localizando a consciência no giro cingulado anterior. É a volta de Lombroso! Como a mente é mais ampla do que o cérebro, para citar Emily Dickinson erradamente, que outras ciências ou outros conhecimentos precisamos despertar para entender nós mesmos?

Cognição e Cérebro


This volume provides an up to date and comprehensive overview of the philosophy and neuroscience movement, which applies the methods of neuroscience to traditional philosophical problems and uses philosophical methods to illuminate issues in neuroscience. At the heart of the movement is the conviction that basic questions about human cognition, many of which have been studied for millennia, can be answered only by a philosophically sophisticated grasp of neuroscience's insights into the processing of information by the human brain. Essays in this volume are clustered around five major themes: data and theory in neuroscience; neural representation and computation; visuomotor transformations; color vision; and consciousness.

Cognition and the Brain: The Philosophy and Neuroscience Movement

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Christopher Smith - Piece by Piece



http://www.boompa.ca/music/christopher_smith-piece_by_piece.mp3

Crítica musical é o seguinte:

Matthew Perpetua, do Fluxblog, não escuta música acidentalmente, incidentalmente. Isso é para seres humanos amadores, que os há muitos. Ele está a jogo, não a passeio. Pode-se entender isso na leitura de sua crítica da música Life and How to Live It, do R.E.M., que traduzo na íntegra. A própria música não é grande coisa, mas a alquimia com o olhar inteligente de Perpetua a transforma.


July 14th, 2010 7:10am
Air Quicken Tension Building Inference Suddenly

R.E.M. “Life and How to Live It”

1. O som de abertura da guitarra de “Life and How To Live It” é como um estopim aceso queimando em câmera lenta. O fogo queima o rastilho gradualmente, e quando a música começa de verdade na marca dos 30 segundos - KA-BOOM.

2. A frase de abertura é “burn bright through the night" (brilhando intensamente através da noite), que pode ajudar a explicar porque só consigo imaginar essa música em termos de luz quente contrastada com total escuridão. Além da imagem do estopim, sempre associei “Life and How To Live It" a uma feira do interior ou a um parque de diversões à noite. Não faço a menor idéia de como isso surgiu na minha cabeça - alguns de vocês podem se lembrar que tenho uma interpretação similar mas um pouco mais literal de “Carnival Of Sorts” - mas ela está lá e provavelmente nunca irá embora.

3. A primeira vez que vi o R.E.M. apresentar essa música foi no Madison Square Garden, em 2003. Foi a primeira música do encore (
CLM - a parte final de uma apresentação, quando os músicos atendem aos aplausos demorados e tocam mais alguma coisa; também chamada de 'bis'). Lembro-me das luzes se extinguindo e de um pulso de luz estroboscópica enquanto Peter Buck começava a música. Não sei bem se foi assim mesmo, mas é assim que me lembro com o olho da mente. Quando penso nesse momento, vejo tudo em preto e branco. Não percebi imediatamente que Peter estava tocando, e nunca me ocorreu que a música pudesse estar na lista da programação. Fiquei estatelado.

4. “Life and How To Live It” se revela ao vivo. Fica mais doidona, mas rápida e mais catártica. Os momentos da música que soam eufóricos na gravação de estúdio soam absolutamente desligados na apresentação ao vivo. Enquanto a versão da música em Fables of the Reconstruction simula competentemente o estado maníaco do protagonista perturbado da música, sua encarnação ao vivo coloca a banda em uma abordagem metódica e que habita completamente a loucura extásica dele.

5. “Life and How To Live It” se baseia na história verdadeira de
Brev Mekis, um esquizofrênico de Athens (Athens, Georgia (Clarke County)) que dividiu sua casa em duas partes, cada uma delas com um conjunto totalmente diferente de mobília, livros, roupas, bicho de estimação, etc. Ele morava em um dos lados um pouco, e depois mudava-se para o outro, e depois trocava de novo (CLM - como está no link, ao se mudar de uma parte da casa para a outra, Mekis tirava toda a roupa e se vestia de novo no outro lado). Depois que ele morreu, descobriu-se que ele tinha algumas centenas de cópias de um livro que ele tinha escrito explicando sua filosofia, e publicado por ele mesmo, escondidas em um dos lados da casa. O livro se chamava Life: How To Live (Vida: Como viver).

6. A maioria das músicas de Fables of the Reconstruction tratam de homens mais velhos e desconhecíveis que de alguma maneira se retiram do mundo à sua volta. Ainda que outras músicas descrevam a ação de um homem olhando de fora para dentro, “Life and How To Live It” foi composta na perspectiva da personagem. Duvido que isso tenha sido uma decisão deliberada, mas faz sentido que Michael tenha sintonizado a compartimentalização radical que Mekis fez de sua vida. De maneira bem óbvia, o estilo de vida de Mekis é mais ou menos análogo ao de um músico viajante - o tempo se divide em duas maneiras distintas de viver, cada uma delas acentuando um estado diferente de ânimo. Em última análise, os dois lados se retroalimentam, sem dúvida dando à pessoa uma experiência de vida mais rica e variada. (Certamente há alguma coisa a se discutir se a música reflete a confusão sexual de Michael quando jovem, e a casa intencionalmente dividida representa a vida dentro e fora do 'armário').

7. Ajuda um pouco pensar o arranjo da música no contexto de sua letra: Michael está cantando sobre um homem que está correndo prá lá e prá cá e berrando à medida que uma estrutura está sendo construída. Bill Berry estabelece as fundações da estrutura e mantém tudo coeso à medida que a intervenção de Peter lhe dá substância, cor e forma. A parte de Mike Mills no baixo é o elemento mais dinâmico - ele corre, escala e pula em volta e através da forma da música, como se representasse o estado frenético de Mekis à medida que sua visão de uma vida ideal tomasse forma diante de seus olhos. As linhas do baixo de Mills são cruciais para o sucesso dessa composição, e são essenciais para seu estado de ânimo de constante movimento e júbilo desvairados.

8. Todos os membros da banda têm pelo menos um momento da música no qual suas respectivas contribuições parecem sobressair dos limites da composição. (Como exemplo, pense na maneira como a guitarra de Peter parece vibrar dramaticamente no refrão). Isto é brilhante, não apenas porque se aplica a uma musiquinha ridiculamente excitante, mas porque dá a cada um dos músicos uma oportunidade canalizar a alegre loucura da personagem. Para uma música sobre um sujeito bizarro e solitário, não há sequer um traço de alienação ou de condenação em “Life and How To Live It”. Na verdade, todos os aspectos da música respeitam a visão distorcida da personagem e se lançam livremente na criatividade, no prazer e numa fé inabalável.

Os 100 melhores blogs de música

O blog Rock-Blogroll teve a pachorra de fazer uma lista dos cem melhores blogs de música e postá-la há umas três semanas. Aliás, esse blog é o bicho: ele tem dez rádios pra gente ouvir; experimentei a Radio Blues e estava tocando um musicão. Temos, além da Radio Blues: Classic Rock, Hard, Funk, Soul, Reggae, Disco, Classique Instrumental, etc. Uma amostra dos blogs de música preferidos pelo Rock-Blogroll:


· A - 18 RODAS

LITTLE RED SCHOOLHOUSE Grubby Highway Country Lane (Cherry Red, 1990)

· C - ChrisGoesRock

The Rolling Stones - Exile on Main St Outtakes (Bootleg)

Acrescento: ChrisGoesRock é o melhor blog de rock de todo o mundo e em todos os tempos. O cara é tão bom que é perseguido pelo establishment e tem que mudar de lugar de vez em quando. Esta é a quarta ou quinta encarnação dele que conheço.

Se o seu negócio é Jazz...

Aí vai: mais de 300 discos em mp3 de boa qualidade sonora, um agrado do blog Jazztralis. Abaixo: uma amostra do início da lista. Pena que são todos armazenados no RapidShare, o que exigirá paciência (para quem não tem conta premium).

300+ jazz albums.All in mp3 / Almost all in 320 bit rate / Info inside / Covers included.Feel free to share and re post this in your blog, forum, etc.

Miles Davis – Complete Bitches Brew Sessions – 1969-1970
http://rapidshare.com/files/113988661/bitches320-D1_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/114033643/bitches320-D2_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/114047565/bitches320-D1_-_-_.part2.rar
http://rapidshare.com/files/114047704/bitches320-D2_-_-_.part2.rar
http://rapidshare.com/files/114054179/bitches320-D3_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/114077171/bitches320-D3_-_-_.part2.rar
http://rapidshare.com/files/114169926/bitches320-D4_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/114180156/bitches320-D4_-_-_.part2.rar

Miroslav Vitous – Journey’s End – ECM 1982
http://rapidshare.com/files/144838436/vitousjourney320_-_-_.rar

Charlie Mariano – Charlie Mariano 1955
http://rapidshare.com/files/145919736/marianox2320_-_-_.rar

Ralph Towner – Open Letter – ECM – 1991-92
http://rapidshare.com/files/146121521/ralphtowneropenl320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/146134525/ralphtowneropenl320_-_-_.part2.rar

Jean-Luc Ponty – Live at Donte’s 1969
http://rapidshare.com/files/146212725/pontydontes320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/146377268/pontydontes320_-_-_.part2.rar

Egberto Gismonti – Works ECM
http://rapidshare.com/files/146396415/workgismonti320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/146415076/workgismonti320_-_-_.part2.rar

John Surman – Road To Saint Ives – ECM 1990
http://rapidshare.com/files/146738049/surmanroadtosaint320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/146746659/surmanroadtosaint320_-_-_.part2.rar


John Abercrombie Trio – While We’re Young – ECM 1992
http://rapidshare.com/files/150630152/abrecrombieyoung320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/150653088/abrecrombieyoung320_-_-_.part2.rar

Keith Jarrett – Facing You – ECM 1971
http://rapidshare.com/files/150683497/jarrettfacing320_-_-_.part1.rar
http://rapidshare.com/files/150699006/jarrettfacing320_-_-_.part2.rar

terça-feira, 20 de julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Anaïs Mitchell - Flowers



http://loudfeed.s3.amazonaws.com/assets/20565/11_Flowers.mp3

Creedence Clearwater Revival


Se v. não tinha, esta é uma oportunidade de ter. Se não conhecia, é agora!

Creedence Clearwater Revival - Chronicle, Vol.1 & 2 (1995)
2CD Blues/Country/Rock MP3 320Kbps 20 + 20 Tracks
Fantasy Records Remastered by George Horn

Few bands of the 1960s retained as much a sense of the roots of rock and roll as did Creedence Clearwater Revival. Their music is rife with country, rockabilly, and R&B influences, a combination that produced several hit singles--most of which are present on this collection. These include "I Heard It through the Grapevine," "Lodi," "Up Around the B ," "Who'll Stop the Rain," and of course "Bad Moon Rising." This is an excellent greatest-hits collection, and a perfect introduction to the music of a band that has been enduringly influential.

Tracklist 1:

01. Susie Q 04:35
02. I Put A Spell On You 04:30
03. Proud Mary 03:07
04. Bad Moon Rising 02:18
05. Lodi 03:09
06. Green River 02:32
07. Commotion 02:41
08. Down On The Corner 02:43
09. Fortunate Son 02:18
10. Travelin' Band 02:07
11. Who'll Stop The Rain 02:27
12. Up Around The Bend 02:41
13. Run Through The Jungle 03:05
14. Lookin' Out My Back Door 02:31
15. Long As I Can See The Light 03:32
16. I Heard It Through The Grapevine 11:04
17. Have You Ever Seen The Rain? 02:38
18. Hey Tonight 02:42
19. Sweet Hitch-Hiker 02:55
20. Someday Never Comes 03:59

Tracklist 2:

01. Walk On The Water 04:28
02. Susie Q (Part 2) 03:48
03. Born On The Bayou 05:10
04. Good Golly Miss Molly 02:38
05. Tombstone Shadow 03:38
06. Wrote A Song For Everyone 04:55
07. Night Time Is The Right Time 03:07
08. Cotton Fields 02:53
09. It Came Out Of The Sky 02:56
10. Don't Look Now (It Ain't You Or Me) 02:08
11. The Midnight Special 04:10
12. Before You Accuse Me 03:26
13. My Baby Left Me 02:17
14. Pagan Baby 06:25
15. (Wish I Could) Hideaway 03:53
16. It's Just A Thought 03:45
17. Molina 02:41
18. Born To Move 05:39
19. Lookin' For A Reason 03:25
20. Hello Mary Lou 02:11

http://hotfile.com/dl/54932785/071db4f/ccr_c_d1_320.rar.html
http://hotfile.com/dl/54931945/fbb503d/ccr_c_d2_320.rar.html
http://hotfile.com/dl/54934592/f51f74c/ccr_c_cov.rar.html

A (força da) gravidade não existe


Como eu já disse: Essas encucações cosmológicas também são cognição, informação processada. Nossa concepção do mundo (Weltanschauung), ainda que não pensemos muito nela, é parte importante de nossa particularidade: provavelmente é parte das motivações que nos levam a agir/reagir em situações conexas. Leia e pense nisso...

O causo aqui é que o NY Times publicou um artigo prá lá de bom sobre a provável inexistência da gravidade. O assunto é tão esotérico que nem vou acrescentar nada, apenas traduzir uns trechos (quase tudo) para dar água na boca dos leitores. (Na foto, Erik Verlinde)


NY Times, July 12, 2010
A Scientist Takes On Gravity
By Dennis Overbye

É difícil imaginar um aspecto da vida na Terra mais fundamental e onipresente do que a gravidade, desde o momento em que damos o primeiro passo e acabamos de traseiro no chão, até a queda lenta e terminal da carne e dos sonhos.

Mas... e se tudo for uma ilusão, uma espécie de extravagância cósmica ou um efeito colateral de alguma coisa que está acontecendo em níveis mais profundos da realidade?

Assim diz Erik Verlinde, respeitado divulgador da teoria das cordas e professor de física na University of Amsterdam, cuja afirmativa de que a gravidade é mesmo uma ilusão causou interminável discussão entre os físicos, ou pelo menos entre aqueles que declaram saber do que ele está falando. Revertendo a lógica de 300 anos de ciência, ele argumenta em um artigo recente chamado “On the Origin of Gravity and the Laws of Newton” que a gravidade é uma consequência das veneráveis leis da termodinâmica, que descrevem o comportamento do calor e dos gases.

'Para mim, a gravidade não existe', disse o Dr. Verlinde, que esteve recentemente nos USA para explicar o que está defendendo. Não que ele não sofra quedas, mas o Dr. Verlinde está entre diversos físicos que dizem que a ciência tem olhado para a gravidade de maneira errada, e que existe algo mais básico do qual a gravidade 'emerge', como os mercados de capitais emergem a partir do comportamento coletivo de investidores individuais, ou como a elasticidade emerge da mecânica dos átomos.

Olhar a gravidade por este ângulo, dizem eles, poderia esclarecer algumas das desconfortantes questões cósmicas da atualidade, como a energia escura, um tipo de antigravidade que parece estar tornando a expansão do universo mais rápida, ou a matéria escura, que supostamente é necessária para manter as galáxias unidas.

A argumentação do Dr. Verlinde se vale de algo que poderia ser chamado de teoria 'dia do cabelo ruim' da gravidade. É mais ou menos assim: seu cabelo se eriça ao calor e à umidade, porque há mais maneiras do seu cabelo se enroscar do que ficar liso, e a natureza gosta de ter opções. Por isso é preciso que uma força deixe o cabelo liso e elimine as opções da natureza. Esqueça o espaço curvo ou aquela atração esotérica tão bem descrita pelas equações de Isaac Newton que nos permite navegar nos anéis de Saturno. A força que chamamos de gravidade é simplesmente um subproduto da propensão da natureza para maximizar a desordem.

Alguns dos melhores físicos do mundo dizem que não entendem o artigo do Dr. Verlinde, e muitos são totalmente céticos. Mas alguns desses mesmos físicos dizem que ele fornece uma nova perspectiva sobre algumas das questões mais profundas da ciência, isto é, por que existem espaço, tempo e gravidade, afinal de contas - ainda que ele não tenha dado esta resposta a elas. (...)

Você pode querer saber por que um físico da teoria das cordas está interessado nas equações de Newton. Afinal, Newton foi superado há um século por Einstein, que explicou a gravidade como sendo dobras na geometria do espaço-tempo, e que pode ser superado pelos teóricos das cordas, acreditam alguns físicos.

Nos últimos 30 anos, a gravidade vem sendo 'desnudada', nas palavras do Dr. Verlinde, enquanto força fundamental. Este desnudamento começou na década de 1970, com a descoberta de Jacob Bekenstein, da Hebrew University of Jerusalem, e Stephen Hawking, da Cambridge University, entre outros, de uma misteriosa conexão entre os buracos negros e a termodinâmica, culminando na descoberta de Hawking, em 1974, de que quando os efeitos quânticos forem levados em consideração, os buracos negros irão brilhar e eventualmente explodir. (CLM - não entendi muito bem a relação causal entre uma coisa e outra, mas é isso que está escrito).

Em um provocativo cálculo de 1995, Ted Jacobson, físico teórico da University of Maryland, demonstrou que, dadas algumas dessas idéias holográficas, as equações de Einstein para a relatividade geral são apenas outra maneira de afirmar as leis da termodinâmica. Os buracos negros que explodem (pelo menos em teoria - nenhum foi observado ainda) iluminam uma nova estranheza do mundo natural. Os buracos negros, efetivamente, são hologramas - como as imagens em 3D que v. vê em cartões de alguns bancos. Todas as informações sobre o que se perdeu no interior deles estão codificadas em suas superfícies. Os físicos, desde essa época, ficam imaginando como esse 'princípio holográfico' - de que somos todos meras sombras em uma parede distante - se aplica ao universo, e de onde ele surgiu.

Em um notável exemplo de um universo holográfico, Juan Maldacena, do Institute for Advanced Study (Institute for Advanced Study - School of Natural Sciences, Princeton) construiu um modelo matemático de um universo 'lata-de-sopa', onde o que ocorria dentro da lata, incluindo a gravidade, está codificado no rótulo do lado de fora da lata, onde não há gravidade, assim como existe uma dimensão espacial a menos. Se as dimensões não têm importância, e a gravidade não tem importância, o quanto elas podem ser reais?

Lee Smolin, físico teórico da gravidade quântica do Perimeter Institute for Theoretical Physics, disse que o estudo do Dr. Jacobson 'é um dos mais importantes dos últimos 20 anos'. Mas ele recebeu pouca atenção a princípio, disse Thanu Padmanabhan, do Inter-University Center for Astronomy and Astrophysics em Pune, India, que abordou a questão da 'gravidade emergente' em diversos trabalhos dos últimos anos. O Dr. Padmanabhan disse que a conexão com a termodinâmica vai mais fundo do que as equações de Einstein com relação a outras teorias da gravidade. 'A gravidade', disse ele numa palestra recente no Perimeter Institute, 'é o limite termodinâmico da mecânica estatística dos átomos do espaço-tempo'.

O Dr. Verlinde disse que leu o trabalho de Jacobson muitas vezes através dos anos, mas que ninguém parece ter entendido sua mensagem. As pessoas ainda estão falando da gravidade como uma força fundamental. 'Claramente, temos que levar essas analogias a sério, coisa que ninguém parece estar fazendo', reclamou ele. Seu estudo, postado no arquivo de física (CLM - http://arxiv.org/) em janeiro, se parece com o do Dr. Jacobson de muitas maneiras, mas o Dr. Verlinde se chateia quando as pessoas dizem que ele não acrescentou nada de novo à análise do Dr. Jacobson. Ele disse que aquilo que é novo é a idéia de que as diferenças em entropia podem ser o mecanismo ativo por trás da gravidade; e que a gravidade é, como ele nota, uma 'força entrópica'. (...)

Pense no universo como uma caixa de letras de scrabble. Existe apenas uma maneira de arrumar as letras para que elas transmitam o Gettysburg Address (CLM - famoso discurso de Abe Lincoln), mas um número astronômico de maneiras de arrumá-las sem transmitir sentido. Sacuda a caixa e ela tenderá para a ausência de sentido, a desordem irá aumentar e as informações se perderão à medida que as letras se dispõem em suas configurações mais prováveis. Poderia isto ser a gravidade?

Como metáfora do funcionamento disso, o Dr. Verlinde utilizou o exemplo de um polímero - uma cadeia de DNA, digamos, um fio de macarrão ou um cabelo - se enrolando. 'Levei dois meses para entender os polímeros', disse ele. O artigo resultante, admite ele, é um pouco vago. 'Isto não é a base de uma teoria', explicou. 'Não tenciono que isso seja uma teoria. As pessoas deveriam prestar atenção nas palavras que escrevi, não nos detalhes das equações'.

O Dr. Padmanabhan disse que viu pouca diferença entre os trabalhos do Dr. Verlinde e do Dr. Jacobson, e que o novo elemento de uma força entrópica não tinha rigor matemático. 'Duvido que estas idéias se sustentem com o teste do tempo', escreveu ele num e-mail da Índia.

Em uma oficina do Texas, na primavera, Raphael Bousso, da University of California, Berkeley, foi solicitado a liderar uma discussão sobre o trabalho. 'O resultado final foi que ninguém acabou entendendo também, incluindo as pessoas que achavam ter visto um sentido nele inicialmente', disse ele em mensagem por e-mail. 'De qualquer modo, o trabalho de Erik chamou a atenção para aquilo que é uma questão genuinamente profunda e importante, e isto é bom'. E prosseguiu: 'Não fazemos idéia de como isso funciona, depois do trabalho de Erik. Existem diversos trabalhos posteriores, mas à diferença de Erik, eles nem sabem qual é o problema'. (...)

Durante um almoço em NY, o Dr. Verlinde ruminou suas experiências dos últimos seis meses. Ele disse que simplesmente rendeu-se à intuição. 'Quando a idéia me ocorreu, fiquei bastante animado, até mesmo eufórico. Não é sempre que v. tem uma chance de dizer algo novo sobre as leis de Newton'. Ele disse que seusamigos o incentivaram a prosseguir, e que ele não se arrepende. 'Se ficar comprovado que eu estava errado, pelo menos alguma coisa foi aprendida. Isso é o bastante para se seguir adiante'.

domingo, 18 de julho de 2010

Sarah White & Ted Pitney - Sweetheart


http://readthehook.com/music/uploads/2008/11/sarah-white-and-ted-pitney_sweetheart.mp3

One hour of hardcore juke joint blues


The blues get served up hard, heavy and raunchy on the debut album from Chicago blues club legend Tail Dragger & His Chicago Blues Band. The 12 tracks here run the gamut from the modal "Don't Trust No Woman," six-and-a-half minutes of a non-stop trance groove, to the nastiest version of "Baby Please Don't Go" you'll ever hear, to the Jimmy Reed groove of "Cold Outdoors." With a straightforward, driving band featuring Studebaker John on harmonica, Rockin' Johnny Burgin on lead guitar, and Twist Turner on drums, a great song selection with seven of the 12 tunes emanating from the pens of either Tail Dragger or producer George Paulus, and an uncluttered production, this is one modern-day blues album that captures the spirit of Chicago blues in its classic period, yet in the here and now. The cover of this CD announces that disc contains "one hour of hardcore juke joint blues." Believe it.

Tracklist

1. Don't Trust No Woman 6:31
2. Country Boy 5:40
3. Be Prepared 5:30
4. I'm In The Mood 4:19
5. Do The Do 4:25
6. Cold Outdoors 5:58
7. Crawlin' Kingsnake 4:45
8. Monkey Blues 3:16
9. Baby Please Don't Go 3:27
10. Stop Lyin' 3:12
11. Prison Blues 6:02
12. Root Doctor 7:03

Tail Dragger - Crawlin' Kingsnake (1996)
Mp3 320 kbps 150 MB Covers Included
Genre: Blues Label: St. George Release Date: Jun 11, 1996

Outro discaço - Tired Pony


Quite an assemblage of fancy names for this new project from Snow Patrol’s Gary Lightbody, called Tired Pony, with members including R.E.M.’s Peter Buck and Belle & Sebastian’s Richard Colburn, along with an extensive cameo list (M. Ward, Tom Smith from Editors, Zooey Deschanel from your dreams). The crew holed up for a week of recording sessions in Portland with Jacknife Lee (who’s worked with Gary and Peter at their day jobs, along with Bloc Party and U2) and knocked out a ten-track “twisted love-letter to the States.” The first track, a pretty little acoustic strummer titled “Point Me At Islands,” is up at tiredpony.com for the price of a functional email addy. It features Zooey on background vocals and a country-folk fiddle solo. Otherwise, if you’re a fan of the more restrained side of Snow Patrol’s hearty emotionalism, this one’s for you.

Tracklist

01. Northwestern Skies 03:50
02. Get On The Road 04:46
03. Point Me At Lost Islands 03:12
04. Dead American Writers 02:35
05. Held In The Arms Of Your Words 06:40
06. That Silver Necklace 03:50
07. I Am A Landslide 05:44
08. The Deepest Ocean There Is 04:58
09. The Good Book 03:05
10. Pieces 06:56

Tired Pony - The Place We Ran From (2010)
MP3 260 kbps Total Time: 45:33 min 81,1 MB
Genre: Alt-Country, Indie, Folk Label: Universal 10 tracks UK
http://hotfile.com/dl/54996859/7e0575d/6jw45iwlo.rar.html ou
http://sharingmatrix.com/file/12970785/6jw45iwlo.rar

sábado, 17 de julho de 2010

Tim Barry - Tacoma



http://suburbanhomerecords.com/mediafiles/TimBarry/audio/09Tacoma.mp3

If your life’s about collecting other people’s faults
Well, then I’ve fucked up before, got back up and walked it off
In a house of crumbling brick and plaster walls
Feeling my way through the dark and you saw it all
Hey, now don’t take this one as a simple joke
But it’s easy to read a book by a child who pretends to be adult
Who’s always running at the mouth about each one as they walk out
But what you don’t hear is them talk about you

So watch the clouds roll in
Watch the clouds roll in
Don’t give me that shit about friends
I’ve been there for you all along
Lord, I’ll never be there for you again

Is it wrong of me to complete this disconnect
Or is it strong of me to stumble and admit I’ve missed some steps
My conscience has grown quiet and my burdens have grown less
In silence I feel most content

But I’d take you on, yeah, I’d take you any day
But to conflict with you now would waste time and energy
See I’m done with certain feelings and substance lacking fakes
I guess life’s just easier that way

So watch the clouds roll in
Watch the clouds roll in
Don’t give me that shit about friends
I’ve been there for you all along
Lord, I’ll never be there for you again

Watch the clouds roll in
Watch the clouds roll in
Don’t give me that shit about friends
I’ve been there for you all along
Lord, I’ll never be there for you again
[ Tacoma Lyrics on http://www.lyricsmania.com/ ]


Send "Tacoma" Ringtone to your Cell

Guia de fMRI para neurocientistas


Functional magnetic resonance imaging (fMRI) measures quick, tiny metabolic changes that take place in the brain, providing the most sensitive method currently available for identifying, investigating, and monitoring brain tumors, stroke, and chronic disorders of the nervous system like multiple sclerosis, and brain abnormalities related to dementia or seizures. This overview explains the principles of fMRI, scanning methodlogies, experimental design and data analysis, and outlines challenges and limitations of fMRI. It also provides a detailed neuroanatomic atlas, and describes clinical applications of fMRI in cognitive, sensory, and motor cases, translating research into clinical application.

BOLD fMRI: A Guide to Functional Imaging for Neuroscientists
Scott H. Faro & Feroze B. Mohamed

Livraço do grande Murray Gell-Mann


What does a quark inside an atom have to do with a jaguar circling his jungle territory? What can the study of particle physics add to our understanding of natural selection, linguistics, child development, economics, and computers? Find out with Nobel laureate Murray Gell-Mann's personal account of his search for the connections between the universe's fundamental laws and nature at its most complex. 40 illustrations.

The Quark and the Jaguar: Adventures in the Simple and the Complex
Murray Gell-Mann

Percepção Multissensorial do Objeto


Traditionally, a large proportion of perceptual research has assumed a specialization of cortical regions for the processing of stimuli in a single sensory modality. Perception in everyday life, however, usually consists of inputs from multiple sensory channels. Recently the question of how the brain integrates multisensory information has become the focus of a growing number of neuroscientific investigations. This work has identified both multisensory integration regions and crossmodal influences in brain areas traditionally thought to be specific to one sensory modality. Furthermore, several factors have been identified that enhance integration such as spatio-temporal stimulus coincidence and semantic congruency. Multisensory Object Perception in the Primate Brain elucidates the mechanisms of multisensory integration of object-related information with a focus on the visual, auditory, and tactile sensory modalities. Evidence is presented in four sections: methodological considerations, audio-visual processing, visuo-tactile processing, and plasticity, and includes studies in both human and nonhuman primates at different levels of analysis. Studies range from intracranial electrophysiological recordings to non-invasive electro- or magnetoencephalography, functional magnetic resonance imaging, behavioral approaches, and computational modeling.

Multisensory Object Perception in the Primate Brain
Marcus J. Naumer & Jochen Kaiser
Springer 2010 383 pages PDF 5 MB
http://sharingmatrix.com/file/12937813/Qv7Y1XAB4u.rar

Neural Networks Theory is a major contribution to the neural networks literature. It is a treasure trove that should be mined by the thousands of researchers and practitioners worldwide who have not previously had access to the fruits of Soviet and Russian neural network research. Dr. Galushkin is to be congratulated and thanked for his completion of this monumental work; a book that only he could write. It is a major gift to the world."Robert Hecht Nielsen, Computational Neurobiology, University of California, San Diego"Professor Galushkins monograph has many unique features that in totality make his work an important contribution to the literature of neural networks theory. He and his publisher deserve profuse thanks and congratulations from all who are seriously interested in the foundations of neural networks theory, its evolution and current status."Lotfi Zadeh, Berkeley, Founder of Fuzziness"Professor Galushkin, a leader in neural networks theory in Russia, uses mathematical methods in combination with complexity theory, nonlinear dynamics and optimization, concepts that are solidly grounded in Russian tradition. His theory is expansive: covering not just the traditional topics such as network architecture, it also addresses neural continua in function spaces. I am pleased to see his theory presented in its entirety here, for the first time for many, so that the both theory he developed and the approach he took to understand such complex phenomena can be fully appreciated."

Neural Networks Theory
Alexander I. Galushkin

sexta-feira, 16 de julho de 2010

The Wingdale Community Singers - Death is Only a Dream

The Wingdale Community Singers - Death is Only a Dream



http://www.songsillinois.net/music/Death_Is_Only_A_Dream.mp3

Processamento consciente, pré-consciente e subliminar

Surpreendentemente, o melhor desse artigo são suas quatro Boxes:

Box 1. Why attention and consciousness are different: top-down influences on subliminal processing (Por que a atenção e a consciência são diferentes: influências top-down sobre o processamento subliminar)
Box 2. Why does some knowledge remain permanently inaccessible? A hypothetical taxonomy (Por que algum conhecimento fica permanentemente inacessível?)
Box 3. Questions for further research (Questões para futuras pesquisas)
Box 4. ‘Phenomenal consciousness’ without reportability? ('Consciência fenomênica' sem reportabilidade?)

Na Box 1, os autores thinkful wishing pressupõem que o leitor conheça o efeito N400 dos ERPs (potenciais evocados). Para suprir um possível desconhecimento, coloquei abaixo duas citações sobre.
As figuras do artigo são de excelente qualidade gráfica e de conteúdo.

Conscious, preconscious, and subliminal processing: a testable taxonomy 2006
Stanislas Dehaene, Jean-Pierre Changeux, Lionel Naccache, Jerome Sackur and Claire Sergent

Abstract. Dos muitos eventos cerebrais evocados por um estímulo visual, quais são especificamente associados à percepção consciente, e quais meramente refletem o processamento não consciente? Diversos estudos recentes de neuroimagem contrastaram o processamento visual consciente e não consciente, mas seus resultados apresentam inconsistência. Alguns sustentam uma correlação da percepção consciente com eventos occipitais iniciais, outros com atividade parietofrontal tardia. Aqui, nós tentamos fazer sentido desses resultados conflitantes. Com base na hipótese do espaço de trabalho neuronal global, nós propomos uma taxonomia que distingue entre vigilância e acesso ao registro conciente, assim como entre processamento subliminar, pré-consciente e consciente. Sugerimos que essas distinções se mapeam sobre diferentes mecanismos neurais, e que a percepção consciente está sistematicamente associada a ondas de atividade parietofrontal que causam amplificação top-down.

N400

The ERP recorded from the scalp provides a continuous measure of brain electrical
activity with millisecond temporal resolution, and so it has been widely used to study language, for which timing is critical. Two components of the ERP elicited by words reflect comprehension difficulties. A negative voltage deflection peaking at about 400 ms after stimulus onset (N400) is small when a word is easily integrated with prior semantic context, but shows graded increases in amplitude as the prior context becomes less and less useful. A word like “sugar” will elicit no N400 at the end of a sentence like “I take my coffee with cream and...”, a medium-sized N400 at the end of a sentence like “At the store, I bought a pound of...” and a large N400 in “I finally asked my boss for a ...”3. The N400 offers a rapidly changing index of the ease or difficulty of semantic processing, beginning well before a spoken word is even completely pronounced.

The N400 is a negative polarity component, with a centroparietal maximum over the scalp, that emerges at about 250 ms after the onset of word stimulation and that reaches its maximal amplitude at roughly 400 ms. There is ample evidence that the N400 is sensitive to ongoing linguistic analyses. Generally speaking, every word elicits an N400. The particular latency and amplitude characteristics of the N400 depend on the context within which the eliciting word occurs, as well as on specific properties of the word itself (such as its frequency and form class). A large number of studies have shown that the N400 is particularly sensitive to semantic information processing, both in prime–target and in sentential contexts. The standard semantic priming RT effect is mirrored in the N400, where unrelated target words elicit a larger amplitude than related targets. This amplitude difference is referred to as the N400 effect.

Criação da Vida


Since antiquity, philosophers and engineers have tried to take life’s measure by reproducing it. Aiming to reenact Creation, at least in part, these experimenters have hoped to understand the links between body and spirit, matter and mind, mechanism and consciousness. Genesis Redux examines moments from this centuries-long experimental tradition: efforts to simulate life in machinery, to synthesize life out of material parts, and to understand living beings by comparison with inanimate mechanisms.Jessica Riskin collects seventeen essays from distinguished scholars in several fields. These studies offer an unexpected and far-reaching result: attempts to create artificial life have rarely been driven by an impulse to reduce life and mind to machinery. On the contrary, designers of synthetic creatures have generally assumed a role for something nonmechanical. The history of artificial life is thus also a history of theories of soul and intellect.Taking a historical approach to a modern quandary, Genesis Redux is essential reading for historians and philosophers of science and technology, scientists and engineers working in artificial life and intelligence, and anyone engaged in evaluating these world-changing projects.

Genesis Redux: Essays in the History and Philosophy of Artificial Life
Jessica Riskin (Edit.)

Arqueologias da Literatura Inglesa da Renascença


This study draws on the theory and practice of archaeology to develop a new perspective on the literature of the Renaissance. Philip Schwyzer explores the fascination with images of excavation, exhumation, and ruin that runs through literary texts including Spenser's Faerie Queene, Shakespeare's Romeo and Juliet and Hamlet, Donne's sermons and lyrics, and Thomas Browne's Hydriotaphia, or Urne-Buriall. Miraculously preserved corpses, ruined monasteries, Egyptian mummies, and Yorick's skull all figure in this study of the early modern archaeological imagination. The pessimism of the period is summed up in the haunting motif of the beautiful corpse that, once touched, crumbles to dust.Archaeology and literary studies are themselves products of the Renaissance. Although the two disciplines have sometimes viewed one another as rivals, they share a unique and unsettling intimacy with the traces of past life--with the words the dead wrote, sang, or heard, with the objects they made, held, or lived within. Schwyzer argues that at the root of both forms of scholarship lies the forbidden desire to awaken (and speak with) the dead. However impossible or absurd this desire may be, it remains a fundamental source of both ethical responsibility and aesthetic pleasure.

Archaeologies of English Renaissance Literature
Philip Schwyzer
Oxford University Press 2007 PDF 256 pages http://sharingmatrix.com/file/12948405/0199206600.pdf

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Harley Dean - Hellbent on Loving You



http://songsillinois.net/music/Hellbent_On_Lovin_You.mp3

Evolução Darwiniana e o Cérebro Humano


PhysOrg. Um estudo feito para ajudar cientistas interessados no desenvolvimento cerebral anormal em bebês prematuros revelou, em um golpe de sorte, a marca da evolução no cérebro humano.
- -
Cientistas da Washington University School of Medicine in St. Louis descobriram que as regiões do cérebro humano que mais crescem durante a infância são quase idênticas às regiões do cérebro que apresentam mais modificações quando são comparados cérebros de humanos e de macacos. Os cientistas fizeram esse estudo para ajudar a avaliar os efeitos de longo prazo do nascimento preaturo sobre o desenvolvimento cerebral. Estes podem incluir riscos de dificuldades de aprendizagem, déficits de atenção, problemas comportamentais e danos cognitivos.

'O número de prematuros tem crescido em anos recentes, e agora 12 por cento de todos os bebês dos Estados Unidos nascem prematuramente', diz Terrie Inder, MD, PhD e professora de pediatria. 'Até hoje, entretanto, tínhamos uma capacidade muito limitada de estudar como o nascimento prematuro afeta o desenvolvimento cerebral por causa dos poucos dados que tínhamos sobre o que é o desenvolvimento cerebral normal'. (...)

O estudo utilizou uma técnica de anatomia cerebral comparada chamada de reconstrução de superfície (surface reconstruction), iniciada pelo autor sênior David Van Essen, PhD, Edison Professor e chefe do Department of Anatomy and Neurobiology. A reconstrução de superfície auxilia os cientistas no melhor alinhamento de regiões e estruturas cerebrais comparáveis, e tem sido usada para criar atlas online da estrutura cerebral. (...)

'Através de comparações entre humanos e macacos, meu laboratório mostrou anteriormente que muitas dessas regiões de crescimento rápido estão expandidas em humanos como resultado de recentes modificações evolutivas que tornaram o cérebro humano maior do que o de qualquer outro primata', disse Van Essen. 'A correlação não é perfeita, mas é boa demais para que seja atribuida a fatores aleatórios'.

As regiões de crescimento rápido são áreas ligadas a funções mentais avançadas como linguagem, raciocínio e o que Van Essen chama de 'habilidades que nos tornam singularmente humanos'. Ele especula que o crescimento físico completo dessas regiões pode de alguma maneira ser retardado para permitir que elas sejam influenciadas pelas experiências iniciais de vida.

Inder fala de outra explicação possível para as diferentes taxas de desenvolvimento: as limitações de tamanho do cérebro impostas pela necessidade de atravessar a pélvis materna ao nascer pode forçar o cérebro a formar prioridades. 'A visão, por exemplo, é uma área cerebral importante ao nascer, para que o bebê possa ser procurar a amamentação e aprender a reconhecer seus pais', diz Inder. 'Outras áreas do cérebro, menos importantes no início da vida, podem ser as regiões que apresentam maior crescimento à medida que a criança amadurece'.
Atualmente, os pesquisadores estão fazendo tomografias similares de bebês prematuros na hora do nascimento e alguns anos mais tarde. 'Esse estudo e os dados que estamos armazenando hoje podem nos fornecer ferramentas bem poderosas para entendermos o que dá errado estruturalmente em uma ampla gama de distúrbios da criança, dos efeitos posteriores do nascimento prematuro até condições como autismo, déficit de atenção ou dificuldades de leitura', disse Inder.

Provided by Washington University School of Medicine

Neurociência Computacional


Este livro não é de divulgação científica facilitada para leigos ou profissionais de outras áreas. Como dizem os autores/editores: "Este livro representa uma coleção de progressos recentes em estudos computacionais da pesquisa neurocientífica que se aplicam na prática a um ambiente colaborativo e integrador em domínios da medicina e da engenharia. Essa obra foi projetada para tratar da explosão de interesse por pesquisadores acadêmicos na coordenação entre modelos e ferramentas computacionais e a investigação quantitativa de dados neurocientíficos. Para preencher esta lacuna vital entre ciência e medicina, esse livro reúne diversas áreas de pesquisa, indo de processamento médico de sinais, análise de imagem e procura de dados até modelagem de redes neurais, regulação da expressão genética e dinâmica cerebral".

A editoria acrescenta umas linhas:

The human brain is among the most complex systems known to mankind. Neuroscientists seek to understand brain function through detailed analysis of neuronal excitability and synaptic transmission. Only in the last few years has it become feasible to capture simultaneous responses from large enough numbers of neurons to empirically test the theories of human brain function. This book will contain the state of art research papers on the field of computational neuroscience. (...)The contributors are chosen from those who have closely been involved in many diverse applications in neuroscience field. Authors from many disiplines (Electrical Engineering, Biomedical Engineering, Industrial Engineering, medicine) present their latest research results. Data mining, signal processing, optimization and medical science are combined to tackle the most challenging modern neuroscience problems. The material in the book is covered in a way that fits in with the regulatory environment, with extensively references to the key journals/magazines in the area. This book is expository in nature and it will translate the technical languages into industries’ commonly-used terminology, which will make this volume even more beneficial to both scientists and physicians.
Computational Neuroscience
Wanpracha Chaovalitwongse, Panos M. Pardalos & Petros Xanthopoulos

Neurociência do Vício (Addiction)


Understanding the phenomenon of long-lasting vulnerability to addiction is essential to developing successful treatments. Written by a distinguished international team of contributors who are authorities in their respective fields, Advances in the Neuroscience of Addiction provides an excellent overview of the available and emerging approaches used to investigate the biologic mechanisms of drug addiction. It also delineates the promising research discoveries being made in relapse prevention.The book begins with current animal models of addiction, which mimic the state of humans entering treatment: recently-abstinent animals that receive common triggers for relapse (classical conditioning, stress, and neuroadaptive dysregulation). Coverage then shifts to the use of electrophysiologic approaches, which enable researchers to characterize the discharge patterns of single neurons during drug self-administration. After exploring advances in voltammetry and enzyme-linked biosensors for measuring glutamate, the book discusses the theoretical background and results of neuroimaging studies related to neuronal networks that are activated by drug-specific cues. It then describes modern genetic approaches to manipulate target proteins that influence addictive behavior.The book rounds out its coverage by illustrating how a neuroeconomic approach can inform studies of reward processing in general and addiction in particular. It is a comprehensive introduction to the methodologies of the field for students and beginning researchers and an essential reference source for established investigators.

Advances in the Neuroscience of Addiction
Cynthia M. Kuhn & George F. Koob