segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Tom Petty & The Heartbreakers

***************Esse não tem erro: é o fino.***********

CD 1:
01. Nightwatchman
02. Even The Losers
03. Here Comes My Girl
04. A Thing About You
05. I'm In Love
06. I'm A Man
07. Straight Into Darkness
08. Breakdown
09. Something In The Air
10. I Just Want To Make Love To You
11. Drivin' Down To Georgia
12. Lost Without You
13. Refugee
CD 2:
01. Diddy Wah Diddy
02. I Want You Back Again
03. Wildflowers
04. Friend Of The Devil
05. A Woman In Love (It's Not Me)
06. It's Good To Be King
07. Angel Dream (No. 2)
08. Learning To Fly
09. Mary Jane's Last Dance
10. Mystic Eyes
CD 3:
01. Jammin' Me
02. The Wild One, Forever
03. Green Onions
04. Louisiana Rain
05. Melinda
06. Goldfinger
07. Surrender
08. Dreamville
09. Spike
10. Any Way You Want It
11. American Girl
CD 4:
01. Runnin' Down A Dream
02. Oh Well
03. Southern Accents
04. Crawling Back To You
05. My Life/Your World
06. I Won't Back Down
07. Square One
08. Have Love Will Travel
09. Free Fallin'
10. The Waiting
11. Good Good Lovin'
12. Century City
13. Alright For Now
Tom Petty & The Heartbreakers
The Live Anthology

domingo, 29 de novembro de 2009

O que é o jazz?


Ainda não li esse livro, mas pela descrição da editoria (ver abaixo) ele deve ser interessante. Aparentemente, Porter não se limita a falar do jazz à distância: ele dá voz aos músicos que o inventam e praticam, além de situá-lo social e historicamente.

Despite the plethora of writing about jazz, little attention has been paid to what musicians themselves wrote and said about their practice. An implicit division of labor has emerged where, for the most part, black artists invent and play music while white writers provide the commentary. Eric Porter overturns this tendency in his creative intellectual history of African American musicians. He foregrounds the often-ignored ideas of these artists, analyzing them in the context of meanings circulating around jazz, as well as in relationship to broader currents in African American thought. Porter examines several crucial moments in the history of jazz: the formative years of the 1920s and 1930s; the emergence of bebop; the political and experimental projects of the 1950s, 1960s and 1970s; and the debates surrounding Jazz at Lincoln Center under the direction of Wynton Marsalis. Louis Armstrong, Anthony Braxton, Marion Brown, Duke Ellington, W.C. Handy, Yusef Lateef, Abbey Lincoln, Charles Mingus, Archie Shepp, Wadada Leo Smith, Mary Lou Williams, and Reggie Workman also feature prominently in this book. The wealth of information Porter uncovers shows how these musicians have expressed themselves in print; actively shaped the institutional structures through which the music is created, distributed, and consumed, and how they aligned themselves with other artists and activists, and how they were influenced by forces of class and gender. What Is This Thing Called Jazz? challenges interpretive orthodoxies by showing how much black jazz musicians have struggled against both the racism of the dominant culture and the prescriptive definitions of racial authenticity propagated by the music's supporters, both white and black.

What Is This Thing Called Jazz?: African American Musicians as Artists, Critics, and Activists
Eric Porter
University of California Press 2002 PDF 442 pages 20.9 MB
http://depositfiles.com/files/hehte33z1 ou
http://rapidshare.com/files/313798719/0520218728.rar

sábado, 28 de novembro de 2009

Livros sobre música


As óperas de Händel

Handel ranks with Monteverdi, Mozart and Verdi among the supreme masters of opera, yet between 1754 (when Handel was still living) and 1920 not one of his operas was performed anywhere. Their revival in the modern theatre has been among the most remarkable phenomena in the history of the art. But they are still too little understood, or studied, and until recently no reliable modern editions existed. This long-awaited book is the sequel to Handel's Operas 1704-1726, published in 1987. It is the first study in depth of Handel's last twenty-two operas, including major masterpieces such as Orlando, Ariodante and Alcina and the brilliant lighter works Partenope, Serse and Imeneo. Each chapter contains a full synopsis and study of the libretto, a detailed assessment of the opera's musical and (often misunderstood) dramatic qualities, a performance history, and comparison of the different versions. Much new material has been incorporated. In addition four general chapters throw a vivid light on the historical background. Two Epilogues touch on Handel's dramatic vision, the revival of his operas in the twentieth century, and their performance today. There are a number of valuable Appendices. Together with its predecessor, the book provides the first complete overview of these works. WINTON DEAN is the most distinguished British authority on the life and work of Handel; he has also written extensively on opera in general.

Winton Dean - Handel's Operas, 1726-1741
Boydell Press 2008 PDF 602 pages 6.29 MB
http://depositfiles.com/files/60scl6vrr ou
http://www.megaupload.com/?d=2DSOJ9H3

Grieg: a música, o cenário e a identidade norueguesa

While Grieg's music continues to enjoy a prominent place in the concert hall and recording catalogues, it has yet to attract sustained analytical attention in Anglo-American scholarship. Daniel Grimley examines the role which music and landscape played in the formation of Norwegian cultural identity in the nineteenth century, and the function that landscape has performed in Grieg's work. It presents new perspectives on the relationships between music, landscape and identity. This tension between competing musical discourses - the folklorist, the nationalist and the modernist - offers one of the most vivid narratives in late-nineteenth and early-twentieth-century music, and suggests that Grieg is a more complex and challenging historical figure than his critical reception has often appeared to suggest. It is through the contested category of landscape, this book argues, that these tensions can be contextualised and ultimately resolved.

Daniel M. Grimley - Grieg: Music, Landscape and Norwegian Identity
Boydell Press 2006 PDF 258 pages 3.74 MB
http://depositfiles.com/files/6jsg6oe90 ou
http://www.megaupload.com/?d=1HS5GZNC

Por que a música sacra é importante?

This collection of historically significant essays focuses on the purpose and function of sacred music. Issues of historicity, spirituality, standardization and other topics central to the study of Protestant, Catholic and Jewish sacred music from 1801 to 1918 are explored. Moving from musicology to psychology and to religious studies, this volume captures the breadth of scholarship available in the field, as well as serving as a useful introduction for those readers just beginning their study of sacred music.

J. L. Friedmann - The Value of Sacred Music: An Anthology of Essential Writings, 1801-1918

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Freios moleculares afetam a plasticidade cerebral


Esse artigo, além de ser muito interessante, mostra que um bom science writer como Bruce Goldman pode "traduzir" para os leigos (com a ajuda de uma entrevista) um artigo altamente esotérico (Classical MHC I Molecules Regulate Retinogeniculate Refinement and Limit Ocular Dominance Plasticity, de Akash Datwani, Michael J. McConnell, Patrick O. Kanold, Kristina D. Micheva, Brad Busse, Mehrdad Shamloo, Stephen J. Smith and Carla J. Shatz) e aí sim, entende-se quase tudo.

A chefa da coisa toda, Carla Shatz, tem tanta confiança no que está fazendo que deu entrada no registro de patentes americano, juntamente com Joshua Syken, de sua invenção Compositions and Methods For Enhancing Neuronal Plasticity and Regeneration, onde fica previsto que o método pode vir a ser eficaz em autismo, dislexia, paralisia cerebral, lesão cerebral traumática, derrame (stroke), doença de Alzheimer e distúrbios de memória. O item Descrição Detalhada da Invenção (0075-0079), por sinal, é um artigo por si só, e claro até para leigos. Se v. consultar esse texto e tiver curiosidade de saber o que é o onipresente PirB, trata-se do Paired immunoglobulin-like receptor-B (subitem 0079, com erro ortográfico e tudo), uma proteína do sistema imune. Repare que esse pedido de patente é uma verdadeira aula sobre neurobiologia e neuroquímica, com incursões em neurogenética.

Uma investigação no Google chegou ao site de notícias do Harvard Medical School Office of Public Affairs, onde ficamos sabendo em um news release de 17 de agosto de 2006 que o estudo inicial era sobre o sistema imune, e que o toque de gênio foi essa suposição de Shatz e Syken: "Há muitos anos, Shatz e colegas fizeram a surpreendente descoberta de que os genes MHC Class I são ligados nos neurônios através da própria atividade neuronal, e de fato são necessários na plasticidade sináptica normal. No sistema imune, as proteínas MHC Class I ensinal às células imunes quais são as células que devem atacar. Fazem isso interagindo com um grande número de receptores encontrados na superfície das células imunes. Suke, Shatz e colegas imaginaram se tais receptores também poderiam se expressar em neurônios e estar envolvidos na plasticidade sináptica mediada por MHC Class I". Pensando bem, esse artiguinho de Harvard é tão esclarecedor (em geral) quanto o original de Shatz et al. na Neuron...

Duas moléculas que afetam a plasticidade cerebral
November 25, 2009 por BRUCE GOLDMAN
(PhysOrg.com) -- Você não ia querer um carro sem freios. Acontece que o cérebro em desenvolvimento também precisa deles.

Pesquisadores da Stanford University School of Medicine identificaram um conjunto de freios moleculares que establizam o circuito cerebral em desenvolvimento. Além disso, a remoção experimental desses freios em ratos melhorou o desempenho dos animais em um teste de aprendizagem visual, sugerindo uma via de longo prazo para uma aplicação terapêutica.
Em um estudo a ser publicado em 25 de novembro na revista Neuron, Carla Shatz, Professor de neurobiologia e de biologia, juntamente com seus colegas, ligaram dois membros de uma grande família de proteínas muito importantes para a função imune (conhecidas coletivamente como as moléculas HLA nos humanos e moléculas MHCIem ratos) ao desenvolvimento cerebral. Até recentemente, pensava-se que essas moléculas imune-associadas não tinham qualquer papel no cérebro sadio. (Nota do CL&M - MHCI é Major Histocompatability Complex Class I molecules)
Em estudos anteriores, Shatz e seus colegas de pesquisa demonstraram que as moléculas MHC são encontradas na superfície dos neurônios cerebrais, e que elas moderam a "plasticidade sináptica": a facilidade com que as sinapses - os mais de 100 trilhões de pontos de contato entre os neurônios, e que determinam o circuito cerebral - são fortalecidas, enfraquecidas, criadas ou destruídas em resposta à experiência. Em um estudo recente, o grupo de Shatz ligou dois membros específicos da família MHC I, chamados K e D, à capacidade dos circuitos de uma região do cérebro responsável pelo aprendizado motor de se refinarem através de uma experiência de aprendizagem.

Desta vez, os cientistas se concentraram no processamento cerebral da visão. "Já descobrimos que K e D foram localizadas em regiões cerebrais que sabíamos serem importantes: o córtex visual e uma estação de transmissão do cérebro que envia seu input para o córtex visual", diz Shatz.

Um bom exemplo do "use-o ou perca-o", enquanto maneira pela qual a sintonia do circuito dependente de experiência dá forma ao cérebro, é a capacidade de um dos olhos para apropriar-se de circuitos cerebrais que normalmente seriam usados pelo outro olho.
"Normalmente, seus dois olhos compartilham circuitos cerebrais devotados à visão de modo 50/50", disse Shatz. "Mas quando as crianças nascem com catarata congênita, ou perdem um olho - ou em modelos animais, quando um dos olhos é bloqueado - de modo que a máquina cerebral de processamento de informações visuais já não esteja sendo usada de modo equlibrado pelos dois olhos, o outro olho não fica só ali esperando. Ele se apropria do maquinário reservado normalmente para o input do outro olho".

Para cartografar os papéis de K e D no desenvolvimento visual, o grupo de Shatz estudou ratos geneticamente modificados para não possuírem estas duas moléculas. Descobriram que a sintonia do circuito de desenvolvimento era anormal, disse ela. "O input neural dos olhos era o mesmo no nível geral - os principais tratos neurais ainda iam do olho para o primeiro sistema visual de transmissão, e daí para o córtex visual. Mas as conexões detalhadas dentro de cada estrutura haviam sido alteradas. A padronização adulta não se desenvolvia normamente".
Nesses ratos com deficiência de K e D, a capacidade de um olho mais utilizado para dominar o circuito de processamento das informações visuais é anormal, e de maneira surpreendente, diz Shatz. "Há muito domínio", disse ela. "Se um dos olhos pára de funcionar, o outro olho assume mais do que a parte que lhe cabe do maquinário cortical devotado ao território do processamento cerebral de informações visuais".

Em um teste de desempenho visual, a equipe de Shatz demonstrou que os ratos deficientes em K e D podiam ver melhor através do olho remanescente do que os ratos comuns que tinham sido criados de modo semelhante com um olho bloqueado. Isto sugere que existe algum tipo de freio molecular sobre a plasticidade do cérebro, e que essas moléculas estão envolvidas no sistema de frenagem. "Tirando-se o freio, melhora-se o desempenho", disse ela.

Utilizando um novo método para localizar moléculas em blocos tridimensionais de tecido (trabalho pioneiro do coautor Stephen Smith, PhD, professor de fisiologia celular e molecular e membro do Stanford Cancer Center), a equipe de Shatz conseguiu demonstrar que K e D se localizam nas sinapses. "Nós os colocamos na cena do crime, no exato local onde a mudança de circuito acontece", disse ela. "Achamos que, no cérebro, eles são partes de uma via de um sistema comum de frenagem".

Mas o que está acontecendo no cérebro para que haja necessidade de um freio? Sem aceleradores e freios, qualquer sistema dinâmico - como o cérebro, onde as conexões se modificam dramaticamente em reação à sua utilização - se tornaria instável, disse Shatz. "Alguns de nós acham que a epilepsia, por exemplo, poderia ser uma consequência desse processo não ser cuidadosamente controlado e regulado, e acontecer com tanta facilidade".

O fato de que as moléculas MHC se expressam nos neurônios tem implicações muito grandes, porque a inflamação age através do sistema imune. A inflamação ativa a liberação de moléculas chamadas citoquinas (grafadas em português como 'citocinas' por muitos autores), que modificam os níveis de MHC I nas células por todo o corpo, disse Shatz. "Se esse processo também modificar os níveis de MCH I nas células do cérebro, será que isso alteraria o processo de sintonização de circuito o suficiente para fazer alguma diferença com relação ao comportamento?"

Também há implicações terapêuticas, observou Shatz. "Talvez em crianças com distúrbios de aprendizagem o freio tenha sido aplicado com força demais - ou pode significar que depois de uma lesão no cérebro adulto, tirar o freio ou afrouxá-lo um pouco poderia permitir que o cérebro fosse retreinado com mais facilidade".
Fonte: Stanford University Medical Center
Leia o original: http://www.physorg.com/news178374711.html

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

World Literature


This title is a unique combination of biography and critical analysis, covering major writers from outside the United States and their significant works in fiction, drama, poetry, and nonfiction. A companion to the award-winning Magill's Survey of American Literature, this comprehensive, six-volume set offers profiles of major authors of fiction, drama, poetry, and essays, each with sections on biography, general analysis, and analysis of the author's most important works - novels, short stories, poems, and works of nonfiction. The completely revamped edition updates these original essays and adds many new ones, covering 380 writers at the heart of literary studies.Scope and coverage: For this edition, 87 new authors have been added to the 293 already profiled. These new writers span both the globe, representing 45 different countries, and time, from the 6th century B.C.E. to the 21st century.

Magill's Survey of World Literature
Six Volume Set Revised Edition

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Vivaldi

É difícil ter oportunidade de ouvir Vivaldi dessa maneira. Como diz a crítica abaixo, Cocset lembra Pablo Casals, o instrumentista que deu alma ao violoncelo, como Segovia deu alma ao violão clássico. Os músicos que o acompanham são muito bons, e a qualidade do som é melhor que sorvete de chocolate com calda de chocolate.

Antonio Vivaldi (1681 - 1734): Six Sonatas for Violoncello solo taken from the edition published in Paris in 1740 (one), from a manuscript discovered in the library of Count Schönborn (two), from a manuscript kept at Naples Conservatory (two) and from a manuscript found at the Bibliotheque Nationale in Paris (one). Performed on historical instruments by Bruno Cocset, cello, Blandine Rannou, harpsichord and organ, Pascal Monteilhet, theorbo and guitar, and Richard Myron, double bass and violone. Recorded in May 1998 at the Church of Saint-Pierre-aux-Nonnains, Arsenal de Metz, France. Published in 1999 as Alpha 004. Total playing time: 71'42".

This CD indeed offers a new approach to Antonio Vivaldi with recordings of absolutely rare chamber repertoire. The sonatas are for violoncello solo, but are here performed with a variety of continuo instruments: harpsichord, organ, theorbo, guitar and double bass or violone. The whole is very closely and clearly recorded, giving the listener the opportunity to savour the delightful sound combinations and the intense violoncello playing of Bruno Cocset who, although definitely an early music specialist, here reminds me of Pablo Casals in the way he invests "soul" particularly in the slower movements. The music as a whole is enchanting and not at all what one would have expected of Vivaldi (so much for that old adage that Vivaldi wrote a single concerto four hundred times!). The booklet enclosed in the digipack gives details of the instruments, but Cocset's essay on the music is limited in scope, being dwarfed by the long description of the painting by Caliari (Veronese) used on the cover of the digipack itself - something that certainly adds a certain artistic flair to the product but which also tends to detract from the value of the music itself. At all events, this is yet another valuable release on the French Alpha label, a label which has caused a considerable stir over the past few years.

Vivaldi - Sonates pour violoncelle & basso continuo
Bruno Cocset & Les Basses Réunis
Chamber Eac, flac, cue no log, cover 1 CD, 366 MB
Sonata in A minor Paris Edition
Sonata in B major manuscript from the library of the Count of Schönberg
Sonata in A minor manuscript from the library of the Naples Conservatory
Sonata in E minor manuscript from the library of Paris
Sonata in G minor manuscript from the library of the Count of Schönberg
Sonata in E flat major manuscript from the library of the Naples Conservatory

http://rapidshare.com/files/303791253/VivalSonCocs.part1.rar.html
http://rapidshare.com/files/303798084/VivalSonCocs.part2.rar.html
http://rapidshare.com/files/303803321/VivalSonCocs.part3.rar.html
http://rapidshare.com/files/303833656/VivalSonCocs.part4.rar.html

A evolução de sistemas nervosos


All biology only makes sense when seen in the light of evolution, and this is especially true for the nervous system. All animals have nervous systems that mediate their behaviors, many of them species specific. Yet, these nervous systems all evolved from the simple nervous system of a common ancestor. To understand these nervous systems, we need to know how they vary and how this variation emerged in evolution. Over 100 distinguished neuroscientists have assembled, for the first time, the current state-of-the-art knowledge on how nervous systems evolved throughout the animal kingdom. This four-volume overview is rich in detail and broad in scope, and outlines the changes in brain and nervous system organization that occurred from the first vertebrates to present day fishes, reptiles, birds, mammals, and especially primates, including humans. The basic principles of brain evolution are discussed, as well as mechanisms of change, which involved gene expression and altered the courses of embryonic development. The reader can select from chapters on highly specific topics as well as those providing an overview of current thinking and approaches. This unique major reference promises to become the gold standard for those interested in evolution and in nervous systems.

Evolution of Nervous Systems, Four-Volume Set, Volume 1-4
J.H. Kaas

terça-feira, 24 de novembro de 2009

A primazia da consciência

"Sem dúvida, a questão mais importante que um cientista ou um ser humano pode explorar é: como a massa de tecido cerebral pode gerar a experiência interior que chamamos de consciência, o estado a que ninguém mais tem acesso?" Esta foi Susan Greenberg, na Introdução de Neurochemistry of Consciousness, e sua maneira de raciocinar, diretamente materialista, é a regra geral hoje em dia: o cérebro, através de um processo ainda em discussão, "cria" a consciência. Michel Bitbol investiga:

Is Consciousness primary ? A Consciência é primária?
Michel Bitbol

CREA, CNRS / Ecole Polytechnique, 1, rue Descartes, 75005 Paris, France
NeuroQuantology, vol. 6, n°1, 53-72, 2008

Abstract/Resumo: São revistos seis argumentos contra a visão de que a experiência consciente deriva-se de uma base material. Estes argumentos vêm da epistemologia, fenomenologia, neuropsicologia e da filosofia da mecânica quântica. Ocorre que qualquer tentativa de provar que a experiência consciente é ontologicamente secundária a objetos materiais não só é mal sucedida como faz surgir sua primazia metodológica e existencial. Nenhuma visão metafísica alternativa é escolhida (nem mesmo uma variação da teoria do duplo aspecto, de Spinoza). Ao invés, uma instância alternativa, inspirada pela neurofenomenologia de F. Varela, é defendida. Essa instância pouco conhecida envolve (1) uma redefinição completa da fronteira entre suposições inquestionadas e questões relevantes; (2) uma ida até o terreno comum das afirmações da fenomenologia e da ciência natural objetiva: uma prática motivada pela procura de um círculo em expansão de concordância intersubjetiva.

Introdução
A visão de acordo com a qual a consciência se deriva de uma base material (que ela é, por assim dizer, secundária a aranjos especiais de entidades materiais) termina por ser mais débil do que se acredita correntemente. Tentarei mostrar que essas credenciais científicas e filosóficas, na verdade, são bastante discutíveis. Mas ao final, não tentarei endossar qualquer visão metafísica alternativa como "a consciência é alguma coisa auto-existente que independe da matéria" ou "consciência e matéria são aspectos de alguma coisa básica comum", que não seriam mais fáceis de defender do que seus opostos. Em linha com Francisco Varela, vou ao invés advogar uma mudança radical de posição quanto a objetividade e subjetividade.

Como preparação, deixe-me circunscrever o que tendemos a querer dizer com "consciência", tomada como a experiência imediata, mais do que como auto-percepção. Para transmitir um sabor desse significado pouco comum da palavra, a maneira rápida é parafrasear a afirmativa de Wittgenstein sobre as sensações "(A consciência) não é alguma coisa, mas também não é nenhuma coisa!" A consciência não é alguma coisa. Se queremos entender essa curta e enigmática afirmativa, temos que fazer um inventário das "coisas" que somos capazes de indicar por meio da linguagem.

Na p. 16, Bitbol vai logo arrematando: "Neste ponto, estamos quase chegando à nossa conclusão. A consciência é existencialmente, transcendentalmente e metodologicamente primária. Qualquer tentativa de demonstrar como ela pode ser ontologicamente secundária a objetos materiais não só fracassa como nos leva de volta à sua primazia metodológica".

Acontece que depois de apresentar o programa da "posição vareliana, ou neurofenomenológica", Bitbol batuca essas abobrinhas:

"Claramente, este programa elaborado como um conjunto de prescrições, mais do que de afirmações teóricas, não resolve o "difícil problema" da origem física da experiência consciente. Entretanto, a razão para esta não-solução não é que o problema seja muito difícil, mas que na posição apropriada ele nem surge. Não surge porque o mundo físico não é mais o padrão do ser, e a objetividade não é mais o padrão definitivo do método. Na posição alternativa, o padrão do ser apoia-se num padrão de auto-evidência, e o padrão metodollógico de objetividade expande-se até um padrão mais geral de intersubjetividade.Então, da mesma maneira como, para Wittgenstein, "A solução do problema da vida é vista no desaparecimento do problema", de acordo com Varela, a solução do difícil problema da consciência encontra-se em uma certa posição e em um certo programa de pesquisa onde o problema desaparece".

Se o assunto chacoalha sua massa cinzenta, leia o restante em:
http://philsci-archive.pitt.edu/archive/00004007/

Neurochemistry of Consciousness: Neurotransmitters in Mind
Elaine K. Perry, Heather Ashton, Allan H. Young
Foreword by Susan Greenberg

2002 344 pages PDF 2,4 Mb
http://depositfiles.com/files/2089371

domingo, 22 de novembro de 2009

A sintaxe minimalista de Andrew Radford


Primeiro, as abobrinhas da editoria:

This textbook is a concise, readable introduction to current work in syntactic theory, particularly to Chomsky's Minimalist program. It gives an overview of theoretical concepts and descriptive devices. The discussion is based on varieties of English (Modern Standard, Belfast, Shakespearean, Jamaican Creole) and does not assume prior knowledge of syntax. There are exercises and a glossary. It is an abridged version of Radford's major new textbook Syntactic Theory and the Structure of English: A Minimalist Approach (CUP, 1997).

Todo mundo já está careca de conhecer esse livraço, mas pode ser que alguém ainda não tenha tido a oportunidade de ter sua cópia. Então, lá vai:

Syntax: A Minimalist Introduction
Andrew Radford

Mark Knopfler de novo


Desta vez, com seu CD Sailing to Philadelphia. Vale o mesmo texto do Get Lucky, postado aqui em 25 de agosto de 2009.

Diz Michael M. em sua resenha no site da Amazon:

In sharp contrast to his last solo effort, 1996's wildly eclectic "Golden Heart," Mark Knopfler returns with a vengeance to the roots rock/folk/blues that defined his songwriting with Dire Straits. The result is "Sailing to Philadelphia," a stirring collection of tunes that can only be described as cinematic.
The driving first cut, "What It Is," oozes with imagery of Scottish nightlife and a slightly sinister undercurrent. Yet the song is thrilling; Knopfler's clean Stratocaster sound, which was his early trademark, is a joy to hear again, as his fiddle-like solos literally gallop to the fore.
The many ballads on the album are also quite atmospheric. In each lovingly crafted song, Knopfler layers varying textures and tones, and combined with his remarkable lyrics, they become little "movies" for the listener. "Prairie Wedding" evokes haunting scenes of the Old West, while "Sands of Nevada" is almost oppressive with the weary desperation of washed-up Las Vegas gamblers. The beautiful title track, a duet with James Taylor, works surprisingly well, as their vocals blend so perfectly. The best way to appreciate these gems is through headphones; every nuance adds to the experience.
The faster songs are also noteworthy. The tongue-in-cheek "Do America" sounds like a cross between "Money for Nothing," "Heavy Fuel," and "The Bug." And "Who's Your Baby Now" would certainly be the result if you tossed the Everly Brothers and the Beatles in a blender. "Junky Doll" is delightfully edgy, but "Speedway at Nazareth" is a marvel. The lyrics are sung at a snappy, bluegrass pace, but the instrumental climax roars with Knopfler's epic guitar work. His soloing here is reminiscent of the thunderous finale to "Telegraph Road," and helps to intensify images of heroic racecar drivers battling for position.
Imaginative, intelligent, and thoughtful, "Sailing to Philadelphia" will probably not appeal to the teen-pop crowd, who weren't even born when Dire Straits were in their heyday. This one's for us adults, and Mark Knopfler triumphantly proves, once again, he's still "Making Movies" with the best of 'em.

Michael M. disse tudo direitinho. Sei que é um disco antigo, mas quem não tinha ou não conhecia pode se servir.
http://rapidshare.com/files/235031516/Mark_Knopfler_-_Sailing_to_Philadelphia.rar

sábado, 21 de novembro de 2009

Grace Potter and The Nocturnals

















Grace no pandeiro, teclado, guitarra, baixo, e cantando.


A mulher é um corisco, ou melhor, uma tempestade eletromagnética!
GP - This is Somewhere e Nothing but the Water. Como sempre, canta muito e toca muito. Não sei bem como classificar: talvez singer-songwriter/blues/rock/indie descreva mais ou menos. Sonzaço.

This is Somewhere
http://rapidshare.com/files/274683867/Grace_Potter___the_Nocturnals_This_Is_Somewhere_Folder.zip
Nothing but the Water
http://rapid4me.com/go_rapidshare.php?Link=http%3A%2F%2Frapidshare.com%2Ffiles%2F32635810%2FGrace_Potter_-_Nothing_But_The_Water.zip

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

David Gray - Draw the Line


O novo CD de David Gray está disponível como torrent nos cinco sites abaixo. Para quem não sabe, fazer download de torrent é mais fácil do que andar a pé: v. baixa um 'cliente' torrent qualquer (por exemplo, uTorrent) do seu depósito de piratarias preferido (por exemplo, cnet, baixaki, etc.), instala o bicho (é auto-explicativo), e clica no h33t (por exemplo) onde está escrito simplesmente 'Baixar esse torrent', normalmente em verde, à esquerda e em letras modestas ( o resto é isca), e espera o download acabar, quando a música já está pronta para ser ouvida. Nessa explicação rápida faltam minúsculos detalhes, que v. pode perguntar aos amigos (ou pesquisar na net).

h33t.com
btjunkie.org
torrenthound.com
seedpeer.com
fulldls.com
torrentzap.com

David Gray - Draw the Line 2009

01-david_gray-fugitive.mp3 5 Mb
02-david_gray-draw_the_line.mp3 5 Mb
03-david_gray-nemesis.mp3 6 Mb
04-david_gray-jackdaw.mp3 5 Mb
05-david_gray-kathleen.mp3 5 Mb
06-david_gray-first_chance.mp3 7 Mb
07-david_gray-harder.mp3 4 Mb
08-david_gray-transformation.mp3 4 Mb
09-david_gray-stella_the_artist.mp3 5 Mb
10-david_gray-breathe.mp3 5 Mb
11-david_gray-full_steam.mp3 5 Mb

O disco original é um CD duplo, mas por enquanto só temos essa amostra.

Stanislas Dehaene - Cérebro e Leitura















Abaixo está a tradução de um artigo/entrevista de Dehaene ao Scientific American, publicado em 17 de novembro de 2009. Depois de casar com a Ghislaine, o homem ficou encapetado...

Your Brain on Books
Neuroscientist Stanislas Dehaene explains his quest to understand how the mind makes sense of written language

Stanislas Dehaene ocupa a cadeira de Experimental Cognitive Psychology no Collège de France, e também é diretor da INSERM-CEA Cognitive Neuroimaging Unit at NeuroSpin, o mais avançado centro de pesquisas em neuroimagem da França. É mais conhecido por sua pesquisa sobre a base cerebral dos números, popularizada em seu livro The Number Sense. Em seu novo livro, Reading in the Brain, ele descreve sua jornada para entender um feito notável que a maioria de nós considera natural: traduzir marcas em uma página (ou em uma tela) para linguagem. Recentemente, ele conversou com o editor de Mind Matters (seção do Scientific American), Gareth Cook.

COOK: Como v. se interessou pela neurociência da leitura?
DEHAENE: Um dos meus interesses mais antigos é como o cérebro humano se modifica pela educação e pela cultura. Aprender a ler parece ser uma das mais importantes mudanças que impomos ao cérebro de nossas crianças. O impacto que isso tem sobre nós é tantalizante. Desperta questões fundamentais sobre como o cérebro e a cultura interagem.

Quando comecei a fazer pesquisas experimentais nesse campo, utilizando diferentes ferramentas à minha disposição (do comportamento aos pacientes, fMRI, potenciais evocados [ERP], e até eletrodos intracranianos), fiquei surpreso porque sempre encontrávamos as mesmas áreas envolvidas no processo de leitura. Comecei a imaginar mesmo como era possível que nosso cérebro pudesse se adaptar à leitura, dado que obviamente ele nunca evoluiu para esse propósito. A pesquisa à procura de uma resposta gerou esse livro. Afinal, a leitura nos força a propor uma visão bem diferente do relacionamento entre cultura e cérebro.
COOK: O que é esse 'novo relacionamento'? .
DEHAENE: Uma visão clássica em ciência social, ainda que frequentemente implícita, é que o cérebro humano, à diferença do cérebro de outros animais, é uma máquina de aprender que essencialmente pode se adaptar a qualquer tarefa cultural nova, não importa sua complexidade. Nós humanos nos liberaríamos de nossos instintos do passado e seríamos livres para inventar formas culturais inteiramente novas.

O que estou propondo é que o cérebro humano é um órgão muito mais sujeito às circunstâncias (constrained) do que pensamos, e que isso estabelece fortes limites sobre a amplitude de formas culturais possíveis. Essencialmente, o cérebro não evoluiu para a cultura, mas a cultura evoluiu para poder ser apreendida pelo cérebro. Através de suas invenções culturais, a humanidade procurou constantemente por nichos específicos do cérebro, se existe um espaço de plasticidade que possa ser explorado para se 'reciclar' uma área cerebral e fazer um novo uso dela. Leitura, matemática, uso de ferramentas, sistemas religiosos - tudo isso poderia ser visto como instâncias de uma reciclagem cortical.

É claro que esta visão da cultura como um jogo de Lego circunstanciado não é nenhuma novidade. Ela está profundamente relacionada à visão estruturalista da antropologia, como exemplificam Claude Levi-Strauss e Dan Sperber. O que estou propondo é que as estruturas universais que sempre aparecem através das culturas estão, de fato, relacionadas em última análise a sistemas cerebrais específicos.

No caso da leitura, as formas de nossos sistemas de escrita desenvolveram-se na direção de uma simplificação progressiva, permanecendo ao mesmo tempo compatíveis com o esquema de codificação visual que está presente em todos os cérebros de primatas. Uma descoberta fascinante, feita pelo pesquisador americano Marc Changizi, é que todos os sistemas de escrita do mundo utilizam o mesmo conjunto de formas básicas, e que todas essas formas já fazem parte do sistema visual de todos os primatas, porque também são úteis para a codificação de cenas visuais naturais. O cérebro do macaco já contém neurônios que respondem preferencialmente a um 'alfabeto' de formas que inclui T, L e Y. Nós apenas 'reciclamos' essas formas (e a parte correspondente do córtex) e as transformamos em um código cultural para a linguagem.

COOK: No livro, v. descreve uma parte do cérebro como a 'caixa de letras'. Poderia explicar o que quer dizer com isso?
DEHAENE: Este é o nome que dei a uma região do cérebro que reage sistematicamente sempre que lemos palavras. Está no hemisfério esquerdo, na face inferior (inferior face), e pertence à região visual que nos ajuda a reconhecer nosso meio ambiente. Essa região particular é especializada em caracteres escritos e palavras. O fascinante é que é o mesmo local em todos nós - seja se lemos chinês, hebraico ou inglês, se aprendemos pelo método whole-language ou phonics, é uma região individual do cérebro que assumiu a função de reconhecer a palavra visual.
COOK: Mas sendo a leitura uma invenção relativamente recente, o que é que a 'caixa de letras' fazia antes de termos uma linguagem escrita?
DEHAENE: Uma excelente pergunta - nós realmente não sabemos. Toda a região na qual esta área se insere está envolvida no reconhecimento visual invariante - ajuda-nos a reconhecer objetos, rostos e cenários, a despeito do ponto de vista particular, iluminação e outras variações superficiais.

Nós começamos a fazer experimentos de imagem cerebral com analfabetos, e descobrimos que essa região, antes de reagir a palavras, tem uma preferência por figuras de objetos e rostos. Estamos descobrindo também que essa região está especialmente sintonizada a pequenas características apresentadas nos contornos de formas naturais, como a forma de 'Y' em galhos de árvores. Minha hipótese é que nossas letras surgiram a partir da reciclagem dessas formas em um nível cultural. O cérebro não teve tempo suficiente de evoluir 'para' a leitura - então os sistemas de escrita evoluiram 'para' o cérebro!

COOK: Como é que nossas habilidades cerebrais, e limites, dão forma a outras atividades humanas, digamos, a matemática?
DEHAENE: Eu dediquei um livro inteiro, The Number Sense, a nossas intuições nativas dos números, e como elas formam nossa matemática. Basicamente, herdamos de nossa evolução apenas um senso rudimentar de número. Nós o compartilhamos com outros animais, e mesmo bebês já o têm nos primeiros meses de vida. Entretanto, ele é apenas aproximado e não-simbólico - não permite que distingamos 13 de 14 objetos. Ainda assim, ele deu à humanidade o conceito de número, e então aprendemos a expandí-lo com símbolos culturais como dígitos e palavras de contagem, chegando assim a uma maneira mais precisa de fazer aritmética.

Nós ainda encontramos traços desse sistema evolutivamente antigo sempre que fazemos aproximações, algumas vezes bastante irracionalmente - por exemplo, quando desperdiçamos mil dólares na compra de um apartamento (porque parece uma pequena porcentagem do total), ao mesmo tempo que barganhamos duramente para comprar um tapete por 40 dólares, ao invés de 50.
A matemática superior também deve estar circunstanciada da mesma maneira por nossa caixa evolutiva de ferramentas. Os números complexos, por exemplo, foram chamados de 'imaginários' e considerados imposíveis de se entender até que um matemático descobriu que eles poderiam ser descritos intuitivamente como um plano - um conceito de fácil apreensão pelo cérebro.
COOK: O que é que nos diz essa pesquisa sobre como a leitura deveria ser ensinada? E ela nos diz alguma coisa, falando mais geralmente, sobre como educar melhor?
DEHAENE: Meus dois livros, The Number Sense e Reading in the Brain, apontam para o fato de que crianças pequenas são mais competentes do que pensamos. Aprender não é 'preencher a folha em branco da mente', como disse John Locke. Mesmo para uma atividade tão nova como a leitura, nós não aprendemos a partir do zero, e sim fazendo modificações mínimas em nossos circuitos cerebrais, aproveitando sua estrutura pré-existente. Desse modo, os professores e os métodos de ensino deveriam prestar mais atenção à estrutura existente do cérebro e da mente da criança.

No caso da leitura, bem concretamente, como explico no livro, temos hoje muitas evidências de que a abordagem da whole-language nada tem a ver com a maneira como o nosso sistema visual reconhece as palavras escritas - nosso cérebro nunca se vale dos contornos gerais da palavras, ele antes as decompõe em todas as suas letras e grafemas em paralelo, subliminalmente e em alta velocidade, dando-nos assim uma ilusão de leitura da palavra toda. Os experimentos sugerem até que o método da whole-language pode orientar o aprendizado para a região errada do cérebro, que é simétrica à área de forma visual da palavra do hemisfério direito! Precisamos alimentar nossa pedagogia com nossa melhor neurociência - e também precisamos desenvolver pesquisas em educação baseadas em evidências, usando experimentos em sala de aula para verificar nossas deduções sobre como os métodos de ensino realmente funcionam na prática.
A teoria, os experimentos com os circuitos neurais de leitura e a pesquisa pedagógica - todos apontam atualmente para a superioridade dos métodos de ensino (com base em) fonema-grafema.

COOK: O que está contecendo no cérebro de um disléxico? Eles estão lendo de maneira diferente, ou apenas mais devagar?
DEHAENE: O cérebro disléxico apresenta um conjunto desorganizado de circuitos no lobo temporal esquerdo. Na maioria das crianças disléxicas, o circuito fonológico do hemisfério esquerdo parece sutilmente desorganizado, e isso parece ser a causa de uma falha em aprender a interconectar apropriadamente o reconhecimento visual das letras com os sons da fala. Como resultado, sua área de forma-da-palavra não se desenvolve completamente, ou não na velocidade normal, e elas continuam e ler serialmente, letra por letra ou chunk por chunk ('bloco'), em uma idade na qual a leitura paralela já está bem estabelecida em leitores normais.
Entretanto, nunca devemos nos esquecer que existe grande heterogeneidade na dislexia - então, provavelmente algumas crianças passam por outras dificuldades, por exemplo, relacionadas à organização espacial da palavra. Algumas crianças parecem misturar a esquerda e a direita, ou ser incapazes de se concentrar sequencialmente nas letras da esquerda para a direita sem errar, e isto pode ser causa adicional da dislexia, ainda que com menos frequência do que o problema fonológico.

COOK: Se o cérebro de um disléxico for organizado de maneira diferente, será que isso sugere que ele pode ter outras habilidades - ou a dislexia é apenas um dano (impairment)?
DEHAENE: Isso não é bem conhecido, mas fiquei intrigado com pesquisas recentes que indicam que as crianças e os adultos disléxicos podem ser melhores em tarefas de detecção simétrica - eles têm uma habilidade maior para notar a presença de fatores simétricos, e as evidências sugerem até que isso foi útil em um grupo de astrofísicos para detectar o espectro simétrico dos buracos negros!

A minha teoria é que o reconhecimento por espelho é uma das funções que temos que 'desaprender' parcialmente quando aprendemos a ler - é uma característica universal do cérebro dos primatas que, infelizmente, é inapropriada para nosso alfabeto, onde abundam as letras p, q, d e b. Conseguindo de alguma forma manter essa habilidade, os disléxicos podem estar de certo modo em vantagem em tarefas visuais, espaciais ou mesmo matemáticas.

Mais geralmente, estamos tocando aqui na questão muito interessante de se a reciclagem cultural nos faz perder algumas habilidades que em certa época foram úteis em nossa evolução. O cérebro é um sistema finito, então ainda que existam poderosos benefícios na educação, também pode haver alguma perda. Atualmente estamos fazendo experiências com índios da Amazônia, em parte para testar suas habilidades nativas e se, em alguns domínios como geometria e navegação espacial, eles podem não ser tão bons como nós.
COOK: Tendo feito todas essas pesquisas, v. se vê lendo dferentemente hoje, ou experimentando (a leitura) de modo diferente?
DEHAENE: Na verdade, não - a leitura se torna tão automática a ponto de não se distinguir: enquanto leitor com perícia, você se concentra na mensagem, e não presta mais atenção nos milagres que são executados pelo seu cérebro! Mas eu sempre fico admirado quando vejo crianças decifrarem suas primeiras palavras - o orgulho em seus rostos é um testemunho vivo das maravilhas da leitura.
O artigo/entrevista acima está em:
http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=your-brain-on-books

Abaixo, a URL do précis do livro The Number Sense, de Dehaene:
http://www.unicog.org/publications/Dehaene_PrecisNumberSense.pdf

Veja também no CL&M, em 09 de outubro de 2008, Downloaded at Birth (“Baixado” ao Nascer) New York Times, 8 de fevereiro de 1998:
Um estudo diz que os humanos podem contar antes que possam falar.
Por Steven Rose.
Steven Rose é neurobiólogo, professor de biologia e diretor do Brain and Behaviour Group (The Open University), autor de Lifelines: Biology Beyond Determinism; The Making Of Memory, co-autor de Not in Your Genes e editor de From Brains To Consciousness.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

As fronteiras de Babel


"Andrea Moro alcançou uma posição única na formulação e implementação de abordagens construtivas a tarefas difíceis e exigentes. Ele é capaz de se remeter a elas com um profundo conhecimento de linguística moderna, um campo para o qual ele já fez grandes contribuições próprias,e com o domínio das tecnologias relevantes e de seu potencial. Seu novo livro é uma lúcida introdução a essas emocionates áreas, é apresentado soberbamente e apresentado com grande imaginação, trazendo intrigantes implicações para além da biolinguística. Um feito raro..."
(Noam Chomsky, trechos do Prefácio)

In The Boundaries of Babel, Andrea Moro tells the story of an encounter between two cultures: contemporary theoretical linguistics and the cognitive neurosciences. The study of language within a biological context has been ongoing for more than fifty years. The development of neuroimaging technology offers new opportunities to enrich the "biolinguistic perspective" and extend it beyond an abstract framework for inquiry. As a leading theoretical linguist in the generative tradition and also a cognitive scientist schooled in the new imaging technology, Moro is uniquely equipped to explore this.

Moro examines what he calls the "hidden" revolution in contemporary science: the discovery that the number of possible grammars is not infinite and that their number is biologically limited. This radical but little-discussed change in the way we look at language, he claims, will require us to rethink not just the fundamentals of linguistics and neurosciences but also our view of the human mind. Moro searches for neurobiological correlates of "the boundaries of Babel"—the constraints on the apparent chaotic variation in human languages—by using an original experimental design based on artificial languages. He offers a critical overview of some of the fundamental results from linguistics over the last fifty years, in particular regarding syntax, then uses these essential aspects of language to examine two neuroimaging experiments in which he took part. He describes the two neuroimaging techniques used (positron emission topography, or PET, and functional magnetic resonance imaging, or fMRI), but makes it clear that techniques and machines do not provide interesting data without a sound theoretical framework. Finally, he discusses some speculative aspects of modern research in biolinguistics regarding the impact of the linear structure of linguistics expression on grammar, and more generally, some core aspects of language acquisition, genetics, and evolution.

The Boundaries of Babel: The Brain and the Enigma of Impossible Languages
Andrea Moro (Author),
Noam Chomsky (Foreword)
The MIT Press - 2008 - 257 pages
http://rapidshare.com/files/232069791/The_Boundaries_of_Babel.pdf

Brain Atlas of Morphology and fAnatomy


Esse atlas não me pareceu grande coisa, mas como disse Montaigne, O que sei eu? Fica para a apreciação dos profissionais.

This dual atlas aims at illustrating the anatomy of the brain and its appearance on MR images using a simple and effective mode of presentation. Following an introductory chapter, "Comprehensive anatomy of the human brain", the book is divided into a morphological and a functional imaging section. The morphological atlas presents 3D surface images followed by high-definition MR sections acquired in the axial, coronal, and sagittal planes. The MR images are paired with the corresponding anatomical images to enable their clinical correlation. The functional atlas includes illustrative MR images showing cortical activation in various functional areas (including the auditory, motor, visual, and language areas).

Atlas of Morphology and Functional Anatomy of the Brain
F. Di Salle, H. Duvernoy and P. Rabischong
Springer 127 Pages Format: PDF Size: 8,5 Mb

Download:
http://tryor.com/en/files/8094/AMFAB.rar.html

Password: Lekar is good for you!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Neurociência e Conhecimento Humano


Diz o próprio Changeux, na introdução do livro:

"Certamente não há nada de novo sobre a idéia de reunir fisiologia e filosofia. Os primeiros filósofos da antiga Grécia, notadamente Demócrito e Empédocles, achavam que apenas os princípios materiais eram dignos de serem considerados como princípios de todas as coisas. Mais próximo à nossa época, Spinoza afirmou que 'os homens julgam as coisas de acordo com a disposição de seu cérebro'. Henri Bergson chegou a sugerir que o conhecimento científico do cérebro poderia ter consequências positivas para a filosofia.

Precisamos voltar e reler Descartes, que permanece sendo a figura central dessa venerável aliança entre a filosofia e o que hoje é conhecido como ciências cognitivas. Na quarta parte do Discours de la Méthode (1637), ele indagou como somos capazes de decidir se nossas idéias são verdadeiras ou falsas: 'É bem fácil mostrar que os sonhos que imaginamos quando estamos adormecidos de modo nenhum deveriam nos fazer duvidar da verdade dos pensamentos que temos quando acordados. Porque no final, estejamos acordados ou adormecidos, temos que nos persuadir apenas através das evidências de nossa razão'. A segunda edição de L'Homme (1677) contém uma ilustração mostrando que as 'figuras' ou formas dos 'pequenos tubos através dos quais os espíritos animais entram' no cérebro diferem durante o estado de alerta, o sono e o sonho: 'A alma dotada de razão imediatamente pensa [nessas figuras] quando, unida a essa máquina, imagina ou percebe algum objeto'.

Em outro local, Descartes expressou a opinião de que, entre a res extensa e a res cogitans, surge uma 'unidade de composição, na medida em que ambas se encontram dentro do mesmo homem, como os ossos e a carne dentro do mesmo animal...'

'A distinção ou diferença que eu noto entre a natureza de uma coisa extensa e a de uma coisa pensada não me parece ser menor do que aquela existente entre osso e carne'. Advertido pelo Padre Mersenne sobre o julgamento de Galileu, ele nunca levou esta linha de raciocínio até sua conclusão lógica.

A Inquisição não existe mais, mas a questão proposta por Descartes não perdeu nem um pouco de sua complexidade. Os obstáculos que enfrentamos hoje têm a ver com a dificuldade da própria questão: pode-se demonstrar que a organização anatômica e os estados fisiológicos de atividade do cérebro estão causalmente relacionados às funções cognitivas superiores da mente e, em particular, à aquisição de conhecimento e ao teste de sua verdade ou falsidade? A despeito da natureza limitada das evidências científicas disponíveis hoje, ainda assim estamos em posição de formular os problemas que surgem na tentativa de explicar o pensamento humano em termos físicos com maior precisão do que jamais estivemos antes. Resolver estes problemas imensamente difíceis, ao mesmo tempo em que reconhecer francamente a natureza provisória de nossa compreensão atual, é hoje o maior desafio intelectual de nossa época".

Jean-Pierre Changeux, autor do clássico Neuronal Man, é diretor do Molecular Neurobiology Laboratory do Institut Pasteur de Paris, Professor do Collège de France, e membro da French Academy of Sciences.

The Physiology of Truth: Neuroscience and Human Knowledge
Jean-Pierre Changeux
Belknap Press of Harvard University Press 2009 336 pages PDF 1.63 MB
http://depositfiles.com/files/sc0090ppk/0674032608.rar ou
http://rapidshare.com/files/302698019/0674032608.rar

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Neurociência Cognitiva Evolutiva


"Desde Darwin, sabemos que a evolução deu forma a todos os organismos e que os órgãos biológicos - incluindo o cérebro e o sistema nervoso animal pleno de recursos - estão sujeitos a pressões da seleção natural e sexual. Entretanto, apenas recentemente é que as neurociências cognitivas começaram a aplicar a teoria e os métodos evolutivos para estudar cérebro e comportamento. Este livro, um marco como referência, documenta e define o campo emergente da neurociência cognitiva evolutiva. Os capítulos, escritos pelos melhores pesquisadores, demonstram o poder da perspectiva evolutiva para produzir dados novos e novas teorias e idéias sobre a evolução e modularidade funcional do cérebro".

Não sei bem o que aconteceu (editorialmente falando), mas compare com o Foundations in Evolutionary Cognitive Neuroscience, Steven M. Platek, Todd K. Shackelford, Cambridge University Press, 2009, que postei em 2 de julho de 2009.

Evolutionary Cognitive Neuroscience
Steven M. Platek, Julian Paul Keenan, Todd K. Shackelford
The MIT Press Number Of Pages: 620 Publication Date: 2006
http://rapidshare.com/files/37024189/Evolutionary_Cognitive_Neuroscience_0262162415.rar

domingo, 15 de novembro de 2009

Criancices e Macacadas


What can the study of young monkeys and apes tell us about the minds of young humans? In this fascinating introduction to the study of primate minds, Juan Carlos Gomez identifies evolutionary resemblances--and differences--between human children and other primates. He argues that primate minds are best understood not as fixed collections of specialized cognitive capacities, but more dynamically, as a range of abilities that can surpass their original adaptations.

In a lively overview of a distinguished body of cognitive developmental research among nonhuman primates, Gomez looks at knowledge of the physical world, causal reasoning (including the chimpanzee-like errors that human children make), and the contentious subjects of ape language, theory of mind, and imitation. Attempts to teach language to chimpanzees, as well as studies of the quality of some primate vocal communication in the wild, make a powerful case that primates have a natural capacity for relatively sophisticated communication, and considerable power to learn when humans teach them.

Gomez concludes that for all cognitive psychology's interest in perception, information-processing, and reasoning, some essential functions of mental life are based on ideas that cannot be explicitly articulated. Nonhuman and human primates alike rely on implicit knowledge. Studying nonhuman primates helps us to understand this perplexing aspect of all primate minds.

Apes, Monkeys, Children, and the Growth of Mind
Dr. Juan Carlos Gomez
Harvard University Press 2006 352 pages PDF 2,6 MB
http://depositfiles.com/files/ghddi8d42

The mirror neuron system


Topei com um artigo de Cattaneo & Rizzolatti (Arch Neurol. 2009;66(5):557-560) chamado The Mirror Neuron System, onde eles começam afirmando:

"Os neurônios espelho são uma classe de neurônios, originalmente descobertos no córtex prémotor de macacos, que emitem descarga tanto quando os indivíduos desempenham um dado ato motor como quando observam outros desempenharem o mesmo ato motor. Amplas evidências demonstram a existência de uma rede cortical com as propriedades de neurônios espelho (sistema-espelho - mirror system) em humanos. O sistema-espelho humano está envolvido na compreensão das ações de outros e das intenções por trás delas, e situa-se na base dos mecanismos da aprendizagem por observação".

C&R prosseguem explicando que "Os neurônios espelho foram descritos pela primeira vez no setor F5 do córtex prémotor ventral do macaco. Esses neurônios, como a maioria dos neurônios de F5, emitem descarga em associação com movimentos que tenham uma meta específica (atos motores). Não disparam quando um macaco executa movimentos simples, isto é, durante o deslocamento ativo de uma parte do corpo desprovido de objetivo específico". Também ficamos sabendo que o papel funcional dos neurônios espelho parietais frontais é entender ações executadas por outros de maneira automática, isto é, comparando-as com o repertório motor do próprio macaco que faz a observação. Só que, dizem eles, os neurônios espelho parietais dirigidos para uma ação não só codificam o ato motor observado (por exemplo, pegar alguma coisa) como também o objetivo da ação observada. Daí, hipotetizou-se que essa organização fornece um substrato neural para se compreender a meta da ação observada toda, antes que esta esteja concluída.

Já tratando então de adultos humanos normais e saudáveis, o texto chega a uma descrição da aprendizagem e do aperfeiçoamento motores:

"A ativação do sistema-espelho também se relaciona à experiência motora que o observador tem de uma dada ação. Isto ficou claramente demonstrado em experimentos que utilizam passos de dança como estímulos observados. Primeiro, doi demonstrado que, no observador, a quantidade de ativação-espelho se correlacionava com o grau de sua habilidade motora para aquela ação. Outro experimento descartou a possibilidade de que esse efeito possa ser devido à mera familiaridade visual com os estímulos. A observação de passos particulares de dançarinos masculinos produziu uma ativação-espelho mais forte em dançarinos profissionais masculinos do que (aqueles passos particulares) executados por dançarinas do sexo feminino, e vice-versa. Um outro estudo prospectivo demonstrou que os dançarinos que inicialmente não tinham experiência com certos passos apresentavam um aumento da ativação-espelho se passavam por um período de treinamento motor no qual se tornassem hábeis na execução daqueles mesmos passos".

Ainda que C&R dirijam a atenção final de seu artigo para considerações clínicas, sua introdução teórica brevemente descrita acima é criticada in anteoccupatio pelo excelente artigo de Gregory Hickok, "Eight Problems for the Mirror Neuron Theory of Action Understanding in Monkeys and Humans". Como esse artigo está disponível no link indicado, deixo ao leitor especializado a tarefa de destrinchá-lo. Note o leitor que uma característica desse artigo de Hickok, além da clareza, é a fluência no uso de um vocabulário interdisciplinar que inclui neurociência, linguística, anatomia e fisiologia.

Agora vou tratar do assunto que me levou a isso tudo: quando comecei a jogar sinuca, diziam-me (acertadamente) que só se aprende direito jogando com quem sabe. Fazer isso não só é um exercício de humildade, porque você vai perder todas, como é um exemplo de ativação de um sistema-espelho (mirror neuron system). Para ser um craque, um perito, um expert, só com 10.000 horas de treinamento, como indica a literatura (por exemplo, Ericsson, K. A., R. Th. Krampe, and C. Tesch-Römer, 1993, ‘The role of deliberate practice in the acquisition of expert performance.’ *Psychological Review*, 100: 363-406; Malcolm Gladwell, The Outliers; Omahen DA. The 10,000-hour rule and residency training. CMAJ June 9, 2009;180(12):1272; e muitos outros). A veterinária americana Beth Davidow diz o seguinte: "Parece que o número de horas necessárias para se chegar ao status de especialista é de umas 10.000. Acho isso interessante por muitas razões. A primeira é pensar quanto tempo leva para se chegar a esse número. Se v. trabalha 40 horas por semana, 50 semanas por ano, isso dá umas 2000 horas anuais praticando seu negócio. Assim, se v. ficar no mesmo emprego, provavelmente, de modo realista, leva uns cinco anos para ser excepcional no que v. faz. Isso não se aplica se v. trabalhar por meio expediente, se tirar férias, se mudar de emprego ou de profissão. Lá no fundo, para mim faz sentido".

Tell me a lie: dá para jogar sinuca 40 horas por semana, 50 semanas por ano, durante cinco anos? Craro que não, Creide. Uma das ações atenuantes é v. ativar seu sistema-espelho enquanto joga: assim que fizer seu lance, preste bastante atenção no que o(s) seu(s) oponente(s) faz(em), se dá certo ou não, como foi feito, etc. Seu sistema-espelho e seus neurônios motores vão aprendendo e v. passa a jogar melhor, passando de "pangaré dendágua" a "esse cara até que joga direitinho".

sábado, 14 de novembro de 2009

Carole King


Este é um grande lançamento, sem dúvida. Quem não conhece CK? Aqui no Bananão só foram lançados uns 3 ou 4 discos dela, mas veja pela listagem abaixo (e em sua biografia da revista Rolling Stone) que a quantidade é bem maior. O último foi Jazzman, de 2008, cuja capa horrorosa está aí do lado (não parece aquela prima americana da prefeita de PiriPiri desfilando no carnaval de 1956?).
**********************************************

One To One 2007
The Full Discover Package 2007
Love Makes the World 2007
Natural Woman 2005
The Living Room Tour 2005
Super Hits 2000
Tapestry [Bonus Tracks] 1999
The Carnegie Hall Concert 1996
Pearls/Time Gone By 1995
A Natural Woman: The Ode Collection (1968-76) 1994
The Ode Collection (1968-1976) 1994
Time Gone By 1994
In Concert 1994
Colour of Your Dreams 1993
City Streets 1989
Speeding Time 1983
Pearls: Songs of Goffin and King 1980
Her Greatest Hits: Songs Of Long Ago 1978
Thoroughbred 1976
Really Rosie 1975
Really Rosie/Her Greatest Hits/... 1975
Wrap Around Joy 1974
Fantasy 1973
Rhymes & Reasons 1972
Music 1971
Tapestry 1971
Writer 1970

Sua biografia, na revista Rolling Stone, pode ser lida aqui.

Carole King - 1994 - The Ode Collection [1968-1976] Vol.1 + 2
Singer/Songwriter MP3 320 Kbps 130 + 119 MB

Volume 1
01 - Hi-De-Ho
02 - Wasn't Born To Follow
03 - Up On The Roof
04 - Child Of Mine
05 - I Feel The Earth Move
06 - So Far Away
07 - It's Too Late
08 - Home Again
09 - Beautiful
10 - Way Over Yonder
11 - You've Got A Friend
12 - Where You Lead
13 - Will You Love Me Tomorrow
14 - Smackwater Jack
15 - Tapestry
16 - (You Make Me Feel Like) A Natural Woman
17 - Music18 - Brother, Brother
Part 1
Part 2

Volume 2
01 - Sweet Seasons
02 - Pocket Money
03 - It's Going To Take Some Time
04 - Bitter With The Sweet
05 - Goodbye Don't Mean I'm Gone
06 - At This Time In My Life
07 - Been To Canaan
08 - Ties That Bind
09 - Corazon
10 - Believe In Humanity
11 - Jazzman12 - Wrap Around Joy
13 - Nightingale
14 - Really Rosie
15 - Alligators All Around
16 - There's A Space Between Us
17 - Only Love Is Real
18 - You've Got A Friend
Part 1
Part 2

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Mozart - A Flauta Mágica


Diz por aí que Die Zauberflöte é a ópera mais apreciada de Mozart. Entre os que pensam dessa maneira estão os criadores do blog Sic Transit Opera Mundi, porque colocaram 16 interpretações dessa obra à nossa disposição, em gravações que vão de 1954 a 2005. É uma auspiciosa coincidência que a melhor capa dos discos seja a da gravação de 1954, porque o retrato de Ferenc Fricsay remete ao elemento mais importante da obra: a música. Há um trecho de Gerald Abraham que justifica essa ênfase:

"Ninguém sai de uma apresentação da Flauta Mágica preocupado com a confusa motivação dramática ou com os violentos contrastes de estilo musical, entre a palhaçada e a solenidade, ou por causa da falta de coerência na criação dos personagens, até mesmo dos seres humanos mais normais dessa ópera, Tamino e Pamina. Não é mais perturbador do que aquilo que sente ao sair de um sonho. Quando Die Zauberflöte é experimentada em um teatro, a impressão final, total, é a de um sonho à De Quincey, no qual o segredo último do universo foi revelado - e infelizmente esquecido quando se acorda. O que é lembrado vividamente é a sonoridade de tudo - algo como as sonoridades verbais que foram tudo que Coleridge pôde se lembrar de seu sonho de Kubla Khan: os diferentes planos de sonoridade, o plano frio e anfractuoso da Rainha da Noite, o plano dourado e transparente dos meninos e das Damen" etc. (in: The Mozart Companion, edit. Landon & Mitchell. Faber, 1965, p. 312).

Entre as interpretações da ópera, existe uma reunião de cantoras que arrepia os pelinhos do braço:

Sarastro - Gottlob Frick
Tamino - Nicolai Gedda
Sprecher - Franz Crass
Eingeweihter - Franz Crass
Konigin der Nacht - Lucia Popp
Pamina - Gundula Janowitz
Erste Dame - Elisabeth Schwarzkopf
Zweite Dame - Christa Ludwig
Dritte Dame - Marga Höffgen
Erster Knabe - Agnes Giebel
Zweiter Knabe - Anna Reynolds
Dritter Knabe - Josephine Veasey
Papagena - Ruth Margret Pütz
Papageno - Walter Berry
Monostatos - Gerhard Unger
Erster Geharnischter - Karl Liebl
Zweiter Geharnischter - Franz Crass
Erste Priester - Franz Crass
Zweiter Priester - Gerhard Unger
Dritter Priester - Tancred Smult
Philharmonia Orchestra & Chorus
Otto Klemperer, 1964

Os links estão no Sic Transit Opera Mundi. O resto é contigo.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * *
Whoa, também temos um livro:
Burton D. Fisher, Mozart's The Magic Flute
Opera Journeys Publishing 2001 132 pages PDF 1,1 MB
A comprehensive guide to Mozart's immortal The Magic Flute (Die Zauberflote), featuring insightful Commentary and Analysis, complete Story Synopsis with 30 Music Examples, a complete newly translated libretto with Music Examples, Discography, Videography, and a Dictionary of Opera and Musical Terms.
http://rapidshare.com/files/182900459/1930841426.zip
ou
http://uploading.com/files/MQQHS6DU/1930841426.zip.html

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Tom Waits


Tom Waits dando a volta ao mundo em 2008, para nosso doce de-leite. Parece que o segundo CD traz apenas aquelas histórias malucas que ele conta durante seus shows - não sei, porque acabei de descobrir esse download e ainda não ouvi.

Artist: Tom Waits
Album: Glitter and Doom Live
Released: 2009 Style: Blues Rock
Format: MP3 Size: 146 Mb

CD1:

01 - Lucinda Ain’t Goin Down (Birmingham - 070308)

02 - Singapore (Edinburgh - 072808)

03 - Get Behind the Mule (Tulsa - 062508)

04 - Fannin Street

05 - Dirt in the Ground (Milan - 071908)

06 - Such a Scream (Milan - 071808)

07 - Live Circus (Jacksonville - 070108)

08 - Goin’ out West (Tulsa - 062508)

09 - Falling Down (Paris - 072508)

10 - The Part You Throw Away (Edinburgh - 072808)

11 - Trampled Rose (Dublin - 080108)

12 - Metropolitan Glide (Knoxville - 62908)

13 - I’ll Shoot the Moon (Paris - 072408)

14 - Green Grass (Edinburgh - 072708)

15 - Make It Rain (Atlanta - 070508)

16 - Story (Columbus - 062808)

17 - Lucky Day (Atlanta - 070508)

CD2:01 - Tom Tales

DOWNLOAD LINKS:

CD1:
UPLOADING: PART 1 PART 2
DEPOSITFILES: PART 1 PART 2
HOTFILE: PART 1 PART 2

CD2:
UPLOADING: DOWNLOAD
DEPOSITFILES: DOWNLOAD
HOTFILE: DOWNLOAD
* * * * * * *
Nota, em 12 de novembro: gravei, ouvi e não gostei. Só para fãs de carteirinha.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Chomsky - Of Minds and Language


Contents
1 Introduction 1
Massimo Piattelli-Palmarini, Pello Salaburu, and Juan Uriagereka
Aqui, os três editores/autores explicam:

"O livro é dividido em quatro partes, quase à maneira de um contraponto musical. As Aberturas oferecem, em conjunto, introduções diferentes mas complementares ao tema central desse livro: perspectivas biológicas sobre a linguagem e funções cognitivas relacionadas. Todas essas apresentações são não-técnicas, e as consideramos acessíveis para leitores de diferentes formações/backgrounds. A segunda parte, Sobre a Linguagem, é uma tentativa multifacetada de inscrever as fronteiras de uma abordagem da linguagem vista como objeto natural e, portanto, da linguística concebida como parte das ciências naturais. A terceira parte, Sobre a Aquisição, concentra-se em como é possível que toda criança normal faça uma convergência tão rapidamente e com tanta eficiência com relação à língua específica da comunidade que a cerca. Como nas partes finais de uma fuga musical, as investigações da parte 4 (Conversas Francas sobre Investigações Abertas) introduzem domínios que dialogam com, mas também tentam ultrapassar, os atuais interesses/assuntos da teoria linguística (ética, estética, diferenças individuais, correlatos neurais da emoção e da prosódia, e assim por diante)".

PART 1: OVERTURES

Aqui, eles comentam:

"Em seus comentários iniciais, Chomsky redesenha a história essencial do campo da biolinguística e nos transporta até o cenário atual. Os capítulos seguintes exploram, de diferentes ângulos, os contornos atuais de uma biologia da linguagem. Esta parte poderia ser caracterizada, parafraseando um famoso estudo de W. S. McCulloch, como uma tentativa de dar resposta à questão 'O que é a biologia, supondo-se que a linguagem possa ser parte dela?'"
2 Opening Remarks 13
Noam Chomsky
Discussion
3 The Nature of Merge: Consequences for Language, Mind,
and Biology 44
Cedric Boeckx
Discussion
4 The Foundational Abstractions 58
C. R. Gallistel
Discussion
5 Evolingo: The Nature of The Language Faculty 74
Marc D. Hauser
Discussion
6 Pointers to a Biology Of Language? 85
Gabriel Dover
Discussion
7 Language in an Epigenetic Framework 97
Donata Vercelli
Discussion
8 Brain Wiring Optimization and Non-genomic Nativism 108
Christopher Cherniak
Discussion

PART 2: ON LANGUAGE

O outro lado da questão:

"Ainda no mesmo espírito da questão de McCulloch, a segunda parte desse livro poderia ser caracterizada como uma tentativa de dar resposta a uma questão simétrica à anterior: O que é a linguagem, supondo-se que possa fazer parte da biologia? Esse tema geral é desenvolvido aqui de diversas maneiras, até mesmo conflitantes. Talvez seja útil ter em mente que James Higginbotham reconhece, ao final da conferência, que ele e Luigi Rizzi se identificam, pelo menos em certo sentido, como biólogos abstratos - uma caracterização que provavelmente descreve bastante bem todos os especialistas em linguagem que apresentam suas opiniões nesta seção. Dito isso, é bem natural que os 'filósofos da natureza' explorem pontos de vista como esses, discordando racionalmente quandos as evidências forem conflitivas".

9 Hierarchy, Merge, and Truth 123
Wolfram Hinzen
Discussion
10 Two Interfaces 142
James Higginbotham
Discussion
11 Movement and Concepts of Locality 155
Luigi Rizzi
Discussion
12 Uninterpretable Features in Syntactic Evolution 169
Juan Uriagereka
Discussion
13 The Brain Differentiates Hierarchical and Probabilistic Grammars 184
Angela D. Friederici
Discussion
14 Round Table: Language Universals: Yesterday,
Today, and Tomorrow 195
Cedric Boeckx
Janet Dean Fodor
Lila Gleitman
Luigi Rizzi
General Discussion

PART 3: ON ACQUISITION

"Desde que Chomsky acentuou a importância de se chegar a uma 'suficiência explicativa' (explanatory adequacy) para qualquer teoria linguística, todas as hipóteses sobre processos, mecanismos, limitações e computações que não estejam supostamente disponíveis de modo inato têm que responder pela possibilidade de aquisição pela criança com base no input linguístico normal. Por exemplo, é uma real generalização descritiva do inglês que todos os verbos derivados do latim são regulares (formam o pretérito utilizando o sufixo -ed). Mas como isso é patentemente uma generalização à qual a criança monolíngue que está adquirindo o inglês não tem acesso, uma teoria baseada em tal generalização não tem qualquer suficiência explicativa. Esta parte do livro oferece diversas abordagens interessantes às teorias e aos dados de pesquisadores que são altamente sensíveis à suficiência explicativa, a partir de vários ângulos".

15 Innate Learning and Beyond 223
Rochel Gelman
Discussion
16 The Learned Component of Language Learning 239
Lila Gleitman
Discussion
17 Syntax Acquisition: An Evaluation Measure After All? 256
Janet Dean Fodor
Discussion
18 Remarks on the Individual Basis for Linguistic Structures 278
Thomas G. Bever

PART 4: OPEN TALKS ON OPEN I N Q U I R I E S

19 The Illusion of Biological Variation: A Minimalist Approach
to the Mind 299
Marc D. Hauser
Discussion
vi contents
20 What Is There in Universal Grammar? On Innate and Specific
Aspects of Language 329
Itziar Laka
Discussion
21 Individual Differences in Foreign Sound Perception:
Perceptual or Linguistic Difficulties? 344
Núria Sebastián-Gallés
Discussion
22 Language and the Brain 352
Angela D. Friederici
Discussion
23 Conclusion 379
Noam Chomsky
Discussion

No texto/discurso de conclusão de Chomsky, virtualmente todas as pontas que ficaram soltas durante a conferência finalmente se juntam. Compartilhando conosco suas singulares impressões, perplexidades, comoções e segundas reflexões - e aglutinando algumas das questões discutidas durante a conferência, além de sugerir disparidades entre outras - Chomsky refaz as principais linhas de desenvolvimento da iniciativa gerativa. Com seus vastos conhecimento e perspectiva, após reconstruir os antecedentes históricos ele insiste na estranheza da amnésia que acometeu as ciências cognitivas na duas últimas décadas. Muitos dos problemas fundamentais que ainda definem (e deveriam) a agenda de nosso entendimento da mente em funcionamento, como ela evoluiu e se desenvolve, e como está incorporada no cérebro, foram discutidos abertamente a partir do século 18, mas parecem ter sido parcialmente esquecidos em nossa época. Talvez a mensagem mais duradoura de Chomsky neste livro, a nosso ver plena de humildade e visão, é que um vislumbre do futuro deve ser acompanhado por uma redescoberta do passado intelectualmente relevante".

References 411
Index 443

Of Minds and Language: A Dialogue with Noam Chomsky in the Basque Country

domingo, 8 de novembro de 2009

Lesser Ury




Lesser Ury, pintor alemão (1861-1931).

Pirateado do Wood's Lot